Carlinhos Alves: “Infelizmente a bola não entrou e sobrou para mim” - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Carlinhos Alves: “Infelizmente a bola não entrou e sobrou para mim”

04/02/2017

Carlinhos Alves: “Infelizmente a bola não entrou e sobrou para mim”


Após comunicado da sua demissão do cargo de treinador do Paulista, a reportagem do Esporte Jundiaí, conversou com o treinador Carlinhos Alves por telefone. Ele comentou que foi a sua primeira demissão na carreira como técnico, em 15 anos. “Essa foi a minha primeira demissão, pois no Fernandópolis, eu que pedi demissão. Foi o trabalho mais curto como treinador na minha carreira”, contou ele, que chegou em 4 de outubro. Carlinhos falou que a sua saída do Paulista foi devido aos resultados na Série A-3 do Campeonato Estadual.

“Hoje posso falar que o time teve cara de Série A-3. Mas infelizmente a bola não entrou e sobrou para mim”, contou. Carlinhos disse que foi um orgulho para ele ter comandado o Paulista. “Foi gratificante ter dirigido o Paulista. Me sinto feliz de terem dado a oportunidade, mas não ocorreu como a gente esperava. Futebol é assim”, afirmou. Dentro de campo, o técnico resumiu o que não deu certo: “1º jogo (contra a Inter) o time foi muito abaixo do que pode render. Hoje (sábado) foi um time de divisão e só um cego que não viu as chances que perdemos, com zagueiro tirando a bola em cima da linha”.

O treinador ficou surpreso com a rapidez da sua demissão. “No futebol a gente não pode confiar em certas pessoas. A gente tinha traçado uma linha, mas dependia dos resultados, mas não espera por essa pressão de forma tão rápida por resultados”, contou. O ex-comandante do Galo afirmou que o grupo de jogadores não é ruim. “Os jogadores irão dar a volta por cima e irão brigar pela classificação”.

Sobre não ter inscritos atletas do Galinho, Carlinhos disse não queria queimar os garotos. “Não fui pressionado a inscrever os jogadores da Taça São Paulo, mas a pressão da Taça é uma e da Série A-3 é outra. Se eles (diretoria) acham que os garotos da Copinha podem resolver, podemos ver agora”, contou. “Eu já estava colocando o Paulinho por exemplo nos treinos, chegando a treinar com o time profissional. Mas não queria colocar os garotos pressionados”, contou o técnico que culpou também o regulamento por não utilizar os jovens do Galinho. “É ruim trabalhar com apenas 25 jogadores de linha, se machuca 1, 2 ou 3 já fica com pouca gente”.

Carlinhos contou que outro motivo de não inscrever os garotos da Copinha era o medo de perder eles, caso uma boa proposta surgisse. Ele contou que gostaria de utilizar o atacante Criciúma, mas que este está envolvido em uma negociação com um clube do futebol brasileiro (nota da redação: Criciúma disse neste sábado, no evento do Galinho no Parque da Uva, que sua situação deve se resolver esta semana e deverá ir para uma equipe da Série A do futebol brasileiro).

O ex-técnico do Paulista, após comunicado da sua decisão conversou com Umberto Louzer, que assume o comando do Galo de forma interina e desejou boa sorte a ele. “Falei ao Umberto que ele é merecedor de tudo que vem ocorrendo na vida dele”, comentou Carlinhos, que nos próximos dias pretende ficar mais com a família, antes de voltar a trabalhar no futebol. “Quem sabe eu volto a encontrar o Paulista na Série A-3, mesmo que em outra função”, lembrou. Por fim, o técnico falou que a imprensa de Jundiaí foi muito justa com ele. “Quando tinha que criticar, criticou corretamente, e quando elogiou, foi da mesma maneira”, completou.

Os gols de Paulista 1 x 2 Nacional pela Série A-3 do Paulistão. Imagens: Cláudio de Andrade


Thiago Batista – Esporte Jundiaí; fotos: Thiago Batista