Guilherme Barros: Paulista - Fábrica de sonhos impossíveis - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Guilherme Barros: Paulista - Fábrica de sonhos impossíveis

06/02/2017

Guilherme Barros: Paulista - Fábrica de sonhos impossíveis

Observo no Esporte Jundiaí as recentes contratações do futebol amador. Uma dezena de ex-Paulista que poderia estar colaborando para o Galo se recuperar desta putrefata divisão Estadual.

Jonatan Cafu é fruto do amador. Mamadeira (foto) é fruto do Amador. Branquinho é um lateral que poderia ter ficado no grupo. Diego Fernandes, atleta de fim de semana, cansou de mostrar seu valor e não ser visto pelos renomados cartolas de Jundiaí.

Temos exemplos de anos passados. Grafite ganhou um teste no Estrela da Ponte. No Paulista não foi aprovado. Doni, de Várzea, foi ser protagonista em Ribeirão Preto na época em que o galo tinha o investimento da Lousano.

A lista é longa. Tivemos muitos dirigentes que faziam do dia a dia do Galo suas vidas. Talvez primeiras, além de seus familiares. Mancini, Aarão Alves, Giba, Bracalli, Carlao, Goto, Bonequini...desculpem-me dos que não me lembro.

Mas os lembrados são os diretores, que após uma má campanha sempre fogem e se esconderam na capa fina do ego e da incompetência.

O Paulista é grande. Só precisa de humildes para reconhecer seu real valor.

Por Guilherme Barros – jornalista e produtor da Rádio Difusora