Luciane Zanatta: Conselheira que já fez loucuras pelo Paulista - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Luciane Zanatta: Conselheira que já fez loucuras pelo Paulista

10/02/2017

Luciane Zanatta: Conselheira que já fez loucuras pelo Paulista


Luciane Zanatta nasceu em 6 de dezembro de 1988. Pode se dizer que desde dia o Paulista ganhou uma torcedora fanática. Que gosta do clube. Ama as cores Tricolores! E veste literalmente a camisa. Conselheira do clube desde 2014, sempre procura ajudar o clube e se for preciso trabalha nas bilheterias do Jayme Cintra.

A paixão pelo Galo ela tirou do pai, Wilson Zanatta. “Meu pai começou a me levar pro estádio com ele eu tinha uns 3 ou 4 anos. Desde então, nunca deixei de torcer pelo Galo. Tenho um carinho enorme pelo Paulista. Enorme mesmo”, contou.

Ela já fez certas loucuras para poder acompanhar o Paulista, mesmo que seja apenas um pedaço de um importante jogo na história do clube. “Na época que estudei em Campinas, foram inúmeros bate volta só para ver o Galo jogar, algumas vezes até em véspera de prova. Mas a maior loucura foi em 2010. Tinha a final da Copa Paulista contra o Red Bull Brasil.  O jogo foi num domingo de manhã (começou às 10h da manhã).  Mas eu tinha vestibular e tinha que estar na Unip (local da prova), às 12h, e neste horário o jogo estaria acabando. O que eu fiz?  Fui para o jogo, assisti só o primeiro temp e, fui embora no intervalo, para não chegar atrasada no local da prova. Chegando no local da prova que fiquei sabendo do resultado e que tínhamos ficado campeão”, lembrou.

A torcedora começou a fazer parte do conselho do clube em 2014. “Eu fui convidada pelos conselheiros, e fiquei feliz com o convite e logicamente aceitei. O convite aconteceu pelo fato de eu sempre estar presente e colaborar com o clube. Aceitei porque vi como uma chance de ajudar ainda mais o clube, poder participar”, declarou. “O conselheiro tem como função aprovar os orçamentos anuais, eleger presidente, primeiro e segundo vice”, lembrou das funções que ela tem nesta função.        

Luciane faz um trabalho voluntário nos dias de jogos do Tricolor na Série A-3: trabalha na bilheteria do Jayme Cintra, ajudando a vender os ingressos aos torcedores, o que acaba sendo mais um contato com outros torcedores do time. “Trabalhar na bilheteria é tranquilo, acabo tendo a chance de ver pessoas conhecidas, conhecer outras. Chego a perder parte do jogo, grande parte ou até mesmo o primeiro tempo todo”, disse. Esse trabalho voluntário é apenas com a intenção de ajudar o clube, colaborar. Esse já é meu terceiro ano trabalhando na bilheteria e nunca aconteceu algo que me chateasse. Esse trabalho voluntário é apenas com a intenção de ajudar o clube, colaborar”, completou.

Ela que não tem o sonho de ser presidente do clube, mas se ocorrer no futuro será interessante, deseja mesmo é que o clube volte a estar em degraus mais altos no futebol nacional. “Voltar a ser o que era antes, disputando a Série A-1 do Paulistão e a Série B do Campeonato Brasileiro”,


Thiago Batista – Esporte Jundiaí; fotos: Thiago Batista