Mudança nos Jogos Regionais e Abertos são elogiadas por esportistas - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Mudança nos Jogos Regionais e Abertos são elogiadas por esportistas

22/03/2017

Mudança nos Jogos Regionais e Abertos são elogiadas por esportistas

Por Thiago Batista – Esporte Jundiaí
Fotos: Thiago Batista

No começo do mês de março, a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo (SELJ), anunciou duas fortes mudanças nos regulamentos dos Jogos Regionais e Abertos, a partir desta temporada: o retorno da categoria sub-21, que havia sido extinto em 2013, a extinção apenas nos Regionais na 1ª e 2ª divisão (o que ocorria desde 2008 – nos Abertos as divisões se mantém) e a volta do vínculo dos atletas com a cidade que for disputar as competições (atleta tem que ser registrado no mesmo município entre 15 de março e 31 de dezembro deste ano). Estas mudanças foram muito elogiadas pelos esportistas de Jundiaí e região.

Para alguns coordenadores de esportes, a mudança vai acabar trazendo benefícios no futuro para o esporte paulista, como mais cidades praticando a formação em suas equipes. “A grande mudança para gente é o vínculo do atleta. A gente sofre, pois faz trabalho de base visando médio, longo prazo, desde as escolinhas, montando equipe com atletas da cidade, disputa campeonatos e chega nos Jogos e enfrenta uma cidade inteira contratada que nem aparece na cidade. Essa mudança vai acabar com isso. Se a cidade tem que ter equipe, terá que ter um trabalho. Isso vai melhorar o esporte, vai obrigar a todos trabalhar, para revelar mais atletas e jogadores”, contou o coordenador de basquete masculino de Jundiaí, Leonel Menezes. “Acho interessante está proposta da volta do sub-21 e do vínculo, acaba forçando a fazer formação. No voleibol masculino temos poucas equipes com trabalho com atletas de idade mais baixa. Isto fortalece, pois mais meninos irão fazer a modalidade”, disse Carlos Calabresi, coordenador do vôlei masculino e feminino de Jundiaí.

Talentos como Rafael Luz passaram pelas mãos de Leonel Menezes no basquete jundiaiense.
Fernando Leite, atualmente treinador nas categorias de base do futsal do Corinthians, já participou dos Jogos Regionais nas comissões técnicas das equipes de futsal de Jundiaí e Campo Limpo Paulista e elogiou muito as mudanças realizadas pela SELJ, principalmente o retorno do sub-21. “Gosto desta ideia do sub-21, pois últimos anos no adulto estavam sendo levados jogadores amadores e ex-atletas, e o esporte tem que ser realizado com idades mais novas, a gente conseguiria revelar novos atletas para o nosso estado e a nossa região”, contou.

Leite lembrou que nos últimos anos, os Jogos Regionais estavam perdendo muito o interesse. “Cidades tem que fazer suas modalidades ocorram o ano inteiro, com trabalho sério, e levar o que você faz no ano inteiro e não contratar apenas para os Regionais. Isto fará os Jogos Regionais se tornar mais sérios, já que havia cidades que não estavam mais interessadas em sediar”.

Fernando Leite atualmente treina as equipes de base do Corinthians.
Sobre a questão do vínculo, para Mian, no atletismo, está questão pode dificultar cidades de contratarem atletas para defender a cidade nos Jogos Regionais e Abertos. “Favorece é que todas as cidades que trabalham com formação, com atleta vinculado a partir de março. Com isso, a equipe que tem dinheiro pode contratar atleta para o ano todo, mas com a crise deve ser difícil”, contou.

Para ele a mudança não altera em nada o trabalho feito em Jundiaí. “Jundiaí sempre foi com a base e  não vai alterar nada, mas as cidades que contratam irão ter que pensar mais. Talvez cidades contratem e quem trabalha com base vai continuar com esse tipo de filosofia como Jundiaí, Sorocaba, Itapetininga, Santana de Parnaíba e São Roque. Não tendo mais duas divisões, a gente sabe que Salto que estava na 2ª divisão vinha forte, e não sabemos se eles irão contratar ou não a partir de agora”, lembrou. “Acredito que a mudança tenha sido feita para melhor, a gente sempre pediu para trabalhar formação e gostoso trabalhar em nível de igualdade, pois uma equipe muito superior acaba perdendo a graça”, completou.

Robson Mian é o coordenador do atletismo de Jundiaí.
O gestor de Esporte, Luiz Trientini, a volta de uma categoria para atletas até 21 anos é quase a realização de um sonho. “Com todas dificuldades que o esporte vem enfrentando, acaba valorizando os jovens atletas. Atrelado isso, do vínculo de 15 de março até dezembro ajuda. Para mim poderia ser a partir de 1º fevereiro e 1º março, pois algumas modalidades já fazem competições neste período e a partir daí, algumas equipe e modalidades acabam migrando para cidades, o que descaracteriza o trabalho da própria cidade. Os atletas têm que ser da cidade”, lembrou. Para o treinador do basquete feminino de Jundiai, Luís Cláudio Tarallo, toda mudança visa ser benéfica. “Acredito que todas as tentativas são válidas para engrandecer ainda mais e facilitar a participação de mais cidades possíveis, nas tão tradicionais e importantes competições esportivas do país”, opinou.

Trientini gostou das mudanças que ocorreram nos Jogos Regionais e Abertos.
Klauss Bermann, treinador do tênis de mesa de Jundiaí acredita que a mudança nas regras fará os atletas pensarem duas vezes para qual cidade irão defender durante toda a temporada. “Por isso fica de exemplo para qualquer atleta de cada modalidade, que se ele pretende ser titular de alguma equipe para adquirir experiência, muitas atenção antes de assinar com alguma cidade nesta temporada, para depois não se arrepender, poruqe uma vez assinado por uma determinada cidade e já participado de um evento neste ano, o mesmo não poderá mais mudar para outra é sim só no próximo ano, quando os cadastros serão zerados novamente”, lembrou.

O técnico do tênis de mesa jundiaiense também gostou muito do retorno da categoria sub-21, já que está mudança irá favorecer as cidades que trabalham com jovens talentos. “Favorece as cidades que trabalham com atletas menores e da base de suas equipes e também aproveitar os atletas que vem dos Jogos da Juventude, nas equipes Regionais e Abertos, com um custo mais baixo”, disse.

Para Carlos Calabresi, do vôlei jundiaiense, as mudanças serão benéficas a longo prazo. “Quanto mais gente fazendo atividade física é melhor. Diminui gente em hospital. Tem gente que pensa que projeto esportivo é jogar, mas na verdade acaba abrangendo uma gama grande, com pequenas ações. Esta é uma pequena ação para Jogos Regionais, mas se as cidades abraçarem a ideia da formação de atletas, podemos alcançar outros patamares, como Jundiaí, que alia o esporte com a prática física”, declarou. "Regionais é uma oportunidade da pessoa da cidade de vivenciar essa experiência com muita gente de esporte”, afirmou Trentini.

Carlos Calabresi - coordenador do vôlei de Jundiaí