Nirielle Fortes, diretora do Atecubanos: Mulher no comando e no futebol: Sim!!! - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Nirielle Fortes, diretora do Atecubanos: Mulher no comando e no futebol: Sim!!!

08/03/2017

Nirielle Fortes, diretora do Atecubanos: Mulher no comando e no futebol: Sim!!!


Por Nirielle Fortes – diretora do Atecubanos (clube da Série A do Amador de Jundiaí)
Fotos: Divulgação


O futebol sempre foi de um mundo masculino, onde mulheres ocupam lugar na arquibancada simplesmente para acompanhar e torcer, dificilmente se colocam a frente de alguma tarefa que demande sua participação direta. Até mesmo no profissional, quando aparece uma bandeirinha mulher, basta um erro e pronto! Todos já criticam dizendo que a falha ocorreu apenas pelo fato de ser uma mulher. Razão pela qual, subentende-se que em pleno século 21, com as mulheres liderando em muitos segmentos, ainda existem algumas discriminações em relação ao sexo feminino neste departamento.  Talvez seja por isso que haja poucas mulheres a frente de um time de futebol em geral.

No meu caso a paixão falou mais alto e no ano de 2003 surgiu o Atecubanos no bairro de Botujuru, em Campo Limpo Paulista. No princípio era apenas para participar de um campeonato de futsal, mas como o time já se sagrou campeão pela primeira vez, tomei gosto e segui adiante.

O Atecubanos daí deslanchou e passou a participar de vários campeonatos na cidade e também na região metropolitana, onde na maioria das vezes terminava a competição como número um. Consegui ficar à frente da diretoria, desde então, graças ao apoio de todos que integram o restante da mesma e também é claro os jogadores, tanto os que chegam como os que saem, sempre nos tratamos com uma relação de respeito, amizade e incentivo.

A sede do clube ficava em Jarinu, onde sempre nos reuníamos para algumas confraternizações, e é claro, também para falarmos sobre futebol. Talvez o meu projeto mais audacioso foi o de participar de um campeonato da cidade de Jundiaí, mas as vezes sair da nossa zona de conforto é necessário. Em 2015 mudei a sede para o bairro de Santa Gertrudes e ingressei na Segunda Divisão na esperança de conseguir o acesso para a elite do futebol mais disputado e divulgado de toda a região. E não deu outra! Conseguirmos terminar como vice-campeão e carimbar nossa tão sonhada passagem.
 
Já em meu primeiro ano na primeira divisão em Jundiaí consegui montar uma equipe super-experiente e com jogadores que já haviam atuado comigo em outras competições, mas não conseguimos nos classificar e terminamos em décimo, na classificação geral.
      
Para esse ano penso em montar uma equipe mais mesclada, com jogadores experientes e uma safra nova, que andei observando e percebi que possuem condições de disputar e fazer um bom campeonato em Jundiaí. Ainda faltam algumas contratações, mas a base já está definida. Em uma reunião com a diretoria do Atecubanos realizada esta semana, ficou decidido a minha permanência em mais um ano à frente da agremiação. Fiquei super feliz com a decisão, pois o futebol já faz parte de mim, e mesmo sendo um universo "masculino", acho que venho fazendo um bom papel no Atecubanos.
      
Outro detalhe que chamou minha atenção e me surpreendeu no amador em geral, foi o respeito de todos que organizam e participam dessa competição. Independente da cidade que colocou o time, o respeito que me tratam dentro e fora de campo prova que esse universo não é tão machista assim, por isso já aproveito para incentivar e convidar outras mulheres a fim de participarem ou tomarem a frente de uma agremiação, garanto que falta de respeito e discriminação não encontrarão. E digo mais, as mulheres ainda dominarão o mundo!!!
      
Particularmente adoro ser dirigente de futebol, acabo usando como terapia nos domingos, antes até mesmo nos sábados em virtude do Supermaster, mas como o tempo está ficando cada vez menor, fui obrigada a abrir mão de algumas competições. O Atecubanos hoje irá participar apenas da Série A de Jundiaí, e a agremiação não participará do Supermaster e nem do amador de Campo Limpo Paulista. Essa foi uma decisão minha. Também foi decisão minha a troca de técnico, Alemão não ficará mais à frente da equipe dentro das quatro linhas. O novo técnico ainda não foi definido, mas vou ter que escolher bem, para manter o bom ambiente que sempre foi marca registrada em nosso grupo.

Espero novamente fazer um bom campeonato e desta vez rever alguns erros para não se repetirem esse ano. Erros que custaram nossa classificação no ano passado, meu objetivo para essa temporada será primeiramente a classificação e depois caprichar a cada jogo para chegar o mais longe possível, para aí sim pensar em título.