Propaganda 1 - Cabeçalho - 340x92

Atleta olímpica gostaria de ver basquete feminino de Jundiaí na LBF: “Venceria muitos times"


Por Thiago Batista – Esporte Jundiaí
Fotos: Thiago Batista

A ala Palmira foi um dos principais nomes da vitória do Internacional Regatas, de Santos, sobre o Time Jundiaí, na noite da última quarta-feira pela 4ª rodada do Campeonato Paulista da 1ª divisão de basquete feminino. A equipe do litoral ganhou por 72 a 64, mas a jogadora que defendeu a seleção brasileira entre 2006 e o ano passado, disse que gostaria de ver a equipe jundiaiense na principal liga da modalidade, a LBF – Liga de Basquete Feminino.

“Jundiaí espero que entre. Com 2 ou até 3 atletas adultas puxaria bem esse time, que daria muito trabalho na LBF. Com time atual, venceria muitas equipes da Liga”, contou a jogadora de 33 anos, a reportagem do Esporte Jundiaí¸ após a partida.

Palmira contou que espera jogar basquete por mais 3 ou 4 anos, antes de continuar em outra carreira no esporte. Ela está cursando educação física, mas pode não seguir a carreira de treinadora, pois uma pessoa muito especial na sua família já exerce a função. “Minha mãe é treinadora. Ela tem um projeto, o Guarulhos, que joga algumas competições, como o sub-17 feminino na Federação, e o sub-17 masculino na Liga Paulista. Nas minhas férias, as vezes auxilio ela nos treinos”, confidenciou a atleta, que procurou atender todos os fãs e admiradores do seu basquete no Bolão.

Sobre a partida desta quarta-feira -  Palmira fez 15 pontos na vitória do Inter sobre o Time Jundiaí. Ela foi a segunda cestinha da partida, mas não começou bem a partida, segundo ela mesmo confidenciou. “Comecei não muito bem, os meus chutes não estavam entrando, tanto que meus primeiros pontos foram em dois lances livres no final do primeiro período. Para eu entrar no jogo, comecei a me movimentar com assistências para as minhas companheiras e carregar as pivôs delas com faltas, tanto é que a principal jogadora de Jundiaí, a Gabriela Guimarães ficou com 3 faltas já no 2º quarto”, contou. “A nossa tática era fechar bem o garrafão e marcar bem a Susan nos chutes de fora, para a gente conseguir a vitória”, completou.

Palmira acredita que a sua a experiência foi importante para sua equipe conseguir a vitória. “Eu falo muito. Dou bronca, procuro conversar e orientar. Tenho toda a visão da quadra para apontar para as minhas companheiras o que é melhor para gente”, confidenciou. Susan, ala-armadora, do Time Jundiaí, acredita que a camisa 7 de Santos foi decisiva no jogo. “Ela é muito técnica, tem boa leitura tática e ainda tem a experiência”, disse a camisa 11 de Jundiaí.

A opinião do Time Jundiaí sobre a derrota – Para Susan e o treinador Luís Cláudio Tarallo, o time jundiaiense relaxou em alguns momentos da partida. “Mesmo tendo acertado 3 bolas de 3 pontos, eu poderia ter jogado melhor. Errei umas bandejas fáceis, chutei em horas que não deveria ter arriscado o arremesso. A gente abria diferença, e relaxava e numa partida como desta não podemos relaxar”, disse Susan.


“Apesar da gente ter trabalhado durante semana, não é porque você ganhou fora de casa todas as partidas, que vai vencer em casa, que seria fácil. O time se desorganizou, ficou desconcentrado. Nosso time poderia ter tido uma exibição melhor para vencer o Internacional ou ter sido derrotado por poucos pontos”, contou Tarallo.
Atleta olímpica gostaria de ver basquete feminino de Jundiaí na LBF: “Venceria muitos times" Atleta olímpica gostaria de ver basquete feminino de Jundiaí na LBF: “Venceria muitos times" Reviewed by Thiago Batista de Olim on 5/18/2017 12:46:00 PM Rating: 5

Anuncie aqui