Thiago Batista: Esperamos que comece o Amador. E apenas com brilho dos atletas - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Thiago Batista: Esperamos que comece o Amador. E apenas com brilho dos atletas

09/06/2017

Thiago Batista: Esperamos que comece o Amador. E apenas com brilho dos atletas


Por Thiago Batista – Jornalista responsável pelo Esporte Jundiaí

Deverá começar neste domingo a edição de 2017 do Campeonato Amador de Jundiaí. Coloco ainda deverá pois até às 8h30 de domingo muita coisa pode ocorrer para a bola começar a rolar. E como sempre a competição ocorre bagunçada. Este ano antes mesmo do apito inicial. Acompanho a competição desde 2017, e pela 1ª vez o “start” da competição foi adiado por três vezes. E muita indefinição gera sobre o campeonato.

A primeira grande polêmica, foi como selecionar os times que entrariam no lugar dos desistentes. O regulamento do ano passado não previa este tipo de acontecimento. Pior: o deste ano também não prevê caso algo ocorra, e se algum clube desistir de participar da elite em 2018, certamente a polêmica voltará. Nesta questão, Serginho Aguiar tem uma tese que é a seguinte: “Nunca o 15º colocado da 1ª divisão é pior ue o 5º colocado da 2ª divisão”. Eu já discordo. Para mim, o 5º colocado da 2ª divisão é melhor que o 15º da elite. Porque: pois o 15º sempre brigou pela parte debaixo do campeonato, às vezes passou um campeonato inteiro sem ganhar jogos uma série de jogos, e merece sim a punição com o rebaixamento. O 5º colocado da 2ª divisão lutou até a última rodada pelo acesso e por causa de um jogo não conseguiu. A minha visão é a mesma que a Federação Paulista tem sob o assunto. Caso algum clube desista de participar da Série A-3 de 2018, o Paulista não tem nenhuma chance de retornar, vai jogar a 4ª divisão no ano que vem, pois para a FPF rebaixado tem que sofrer o descenso. O mais justo nesta questão de um time desistir do torneio, e deixar o torneio com menos clubes, ninguém entrar. Mas se alguém tiver que entrar, este item tem que constar em regulamento. Nas competições da FPF, este item já é previsto em regulamento, algo que o Amador tem que aprender.

A segunda polêmica foi sobre a taxa de arbitragem que fez colocar em dúvida se iria ter competição ou não. Foi definida apenas na véspera da competição que os clubes teriam que pagar a taxa. O assunto fez explodir a competição, fazendo dois clubes na Série B desistir do torneio na véspera sob a alegação que foi dito a eles, que não haveria pagamento de taxa. Eu sou defensor que os clubes do futebol amador paguem a taxa de arbitragem. Não vou discutir o valor, mas tem que haver um pagamento. Ou que clubes junto com a Liga busquem patrocinadores para bancar o campeonato, inclusive a taxa de arbitragem. Pode-se vender o name-rights do campeonato, como propus em coluna anterior. Agora o que não pode, na minha visão, é dinheiro público para pagamento de taxa de arbitragem. Prefiro este dinheiro sendo investido em melhoria dos centros esportivos, como gramado, estrutura que não é só usada pelos clubes do futebol amador, mas sim por toda a população. Se possível, este dinheiro ser investido no futuro na construção de arquibancadas nos centros esportivos para uma melhor acomodação do nosso público.


A gente espera quando a bola começar a rolar não tenhamos uma terceira e quarta polêmica, que possa atrapalhar, o já atrapalho campeonato desde ano, o mais atrasado no seu início nesta época. O que todos gostariam é a bola começar a rolar para que os protagonistas não sejam somente os dirigentes do futebol amador e sim e tão somente os jogadores e treinadores dos clubes amadores.