Autora do gol da classificação, Milene brinca: “Se eu não faço, a culpa seria minha” - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Autora do gol da classificação, Milene brinca: “Se eu não faço, a culpa seria minha”

11/10/2017

Autora do gol da classificação, Milene brinca: “Se eu não faço, a culpa seria minha”


Milene Rodrigues fez o gol da classificação do handebol feminino do Time Jundiaí a decisão do Super Paulistão (Campeonato Paulista), a camisa 5 sabia da importância da cobrança do tiro de 7 metros no último segundo do confronto contra Guarulhos. Com o gol, a partida terminou empatada por 22 gols para cada lado, e garantiu as jundiaienses na final.

“Eu tinha que fazer o gol, pois se eu não faço, a culpa seria minha”, brincou a atleta, que na hora da cobrança percebeu todo o clima que havia no Anexo do Bolão. “Quando peguei a bola eu percebi que todos estavam olhando só para mim, que todos da arquibancada estavam de pé olhando para aquele gol (o de entrada do Anexo)”, disse a jogadora que não escolheu muito em qual lado iria mandar a bola (mandou no canto direto, com a goleira pulando no canto oposto. “Só pensei na bola entrar no gol. Estava um pouco nervosa na hora da cobrança”.


Segundo a treinadora Edlady Oliveira, do Time Jundiaí, não há uma determinação de quem cobra os tiros de 7 metros no handebol – comparando com o futebol ou futsal seria o famoso pênalti. “Vai do momento da partida. Não tem uma ordem definida. Quem tiver mais confiança tem que cobrar”, disse.  

Outro nome importante dentro do jogo foi a goleira Nayara Bitto. Dos 7 “pênaltis”, ela defendeu quatro. E para o confronto desta terça-feira ela estudou bastante as rivais. “Eu procuro observar os scauts que são nos passados e também os vídeos para saber como as adversárias cobram. Mas em alguns momentos é da confiança, da intuição”, contou a atleta que foi eleita a melhor da partida.


As três foram unanimes que o nervosismo atrapalhou o time. “Abrimos 4 gols de diferença (14 a 10 no final do primeiro tempo) e elas se empolgaram. A gente poderia ter controlado a ansiedade, ter pensando mais o jogo, mas a ansiedade provocou a afobação e Guarulhos foi tirando a diferença”, analisou a treinadora. “A gente fazia gol e tomava na sequência. Não poderia acontecer isso”, contou a goleira Nayara. “Ficamos seis minutos sem fazer o gol e isso pesou um pouco na partida”, lembrou Milene.

A camisa 5 lembrou que o apoio dos torcedores presentes no Anexo foi fundamental para o time. “Eles nos ajudaram muito. Também o banco foi fundamental. As garotas que ficavam no banco nos ajudaram bastante, mostrando que aqui é uma grande família”, contou.

Dois jogos nesta quarta-feira – Nesta quarta-feira, dois jogos agitam os playoffs do Super Paulistão para o Time Jundiaí. A partir das 15h30, a categoria infantil encara o Pinheiros, na capital paulista, no primeiro confronto da série melhor de três partidas. O segundo jogo da série está marcado para o Anexo do Bolão, às 15h30, da próxima terça-feira. Se necessário, a terceira partida será no dia 11 de novembro, em São Paulo.

Às 18h, a equipe cadete do Time Jundiaí encara São José, pela segunda partida das quartas de final. No primeiro jogo, na última segunda-feira no Vale do Paraíba, as jundiaienses perderam por 26 a 18. Para continuar vivas na série, Jundiaí precisa vencer – por qualquer placar para forçar a disputa do terceiro jogo na segunda-feira, no Anexo, às 18h.