Leilão do Jayme Cintra será nesta sexta-feira. Nenhum lance foi registrado na internet até 3ª - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Leilão do Jayme Cintra será nesta sexta-feira. Nenhum lance foi registrado na internet até 3ª

22/11/2017

Leilão do Jayme Cintra será nesta sexta-feira. Nenhum lance foi registrado na internet até 3ª


O leilão do estádio Jayme Cintra está programado para a próxima sexta-feira, na Justiça do Trabalho, em Campinas. Mas desde 6 de novembro, lances para adquirir a casa do Paulista Futebol Clube podem ser feitos via internet, através do site do leiloeiro oficial Gilson Inumaru – (http://gilsonleiloes.com.br/externo/lote/detalhes/2393769), mas até o final da noite desta terça-feira, nenhum lance foi registrado, no momento que a reportagem do Esporte Jundiaí visitou o site.


O estádio Jayme Cintra está no lote 69 do leilão que tem produtos e imóveis que podem ser adquiridos, em virtude de ações trabalhistas nas Varas das regiões de Jundiaí, Leme, Indaiatuba, Itatiba, Campo Limpo Paulista, Atibaia, Capivari, Hortolândia, Itapira, Sumaré, Mogi Mirim e Salto. São 119 lotes e até o momento nenhuma oferta foi feita para nenhum lote, o que demonstra que o leilão não está chamando interesse neste momento. O estádio Jayme Cintra está em leilão com lance mínimo de R$ 17.556.243,36 (o estádio foi avaliado pelo leiloeiro Gilson Inumaru) em R$ 35.112.486,73.

O leilão foi determinado pelo juiz titular, Jorge Luiz Souto Maior, em 21 de setembro deste ano, com a seguinte decisão, no processo que tem a numeração 001868.57.2012.5.15.0096: “Da análise dos documentos apresentados pela Prefeitura do Jundiaí, verifico que não é possível o fracionamento do imóvel penhorado. Em relação ao requerimento de fls. 472, considerando que não foram localizados, em pesquisas realizadas por este Juízo, bens móveis ou imóveis cadastrados em nome da instituição financeira, ineficaz, por ora, a inclusão do Banco Fator S/A no polo passivo. Assim, considerando que o executado não demonstrou interesse na quitação das verbas devidas aos exequentes, bem como que a demora na trâmitação do presente feito acarretaria ainda mais ônus para as partes, inclusive com a necessidade de nova avaliação do imóvel penhorado, determino o encaminhamento do bem penhorado nestes autos à Seção de Hastas Públicas - SHP, circunscrição de Campinas, para que seja realizada nova hasta pública unificada, consignando-se no edital o processo de tombamento, que não impede, no entanto, a alienação”.



É a segunda vez que o estádio Jayme Cintra vai a leilão. Em 27 de abril deste ano, o estádio foi a leilão, pelo mesma Justiça do Trabalho, em Campinas. O valor mínimo era quase o mesmo que atual – era de R$ 17.561.243,37, valor colocado agora. O estádio pode ir a leilão até três vezes. Se não for vendido nas três vezes que for a leilão, a Justiça determina uma nova forma de garantia da dívida.

O estádio Jayme Cintra foi penhorado em 2013. Na ocasião foi entregue à Justiça do Trabalho como forma de pagamento de dívidas trabalhistas. Na época, a dívida era de R$ 3,5 milhões. O leilão foi determinado pelo juiz da 3ª Vara do Trabalho de Jundiaí, que agrega vários processos. A dívida gira em torno de R$ 1,4 milhões.

No 1º leilão 19 eram os reclamantes. Mas a lista agora aumentou e são 21. Os mais “novos integrantes” da lista são Stélio Metzker (ano passado treinou o Paulista na Copa Paulista) e Hudson Fernando Tobias de Carvalho. No 1º leilão e continuam como reclamantes Eduardo Moreira Geraldo; Sindicato dos empregados de clubes esportivos e em Federações, Confederações e academias esportivas no estado de São Paulo, Vanderlei Mascarenhas dos Santos (ex-atacante do Paulista), Anderson Thiago de Souza (conhecido como Thiago, atacante que em 2015 defendeu o São Gabriel-RS) , Simone Fernandes de Araújo, Everton Luiz de Paulo (ex-zagueiro do Galo), Sandra Regina Hoffmann Pessoto, Gilmar do Amaral, Júlio César Antônio de Souza (ex-atacante), Felipe Monteiro Diogo (Felipe Sodinha - ex-meia), Luiz Mauro Cosentino Lacerda, Caio Rancoleta, Adinam Cardozo (ex-goleiro), Fabricio Rodrigues Da Silva (meia que no 1º semestre defendeu o Maringá), Caio Rancoleta, Matheus Galdezani (volante que está atualmente no Coritiba), Joao Henrique da Silva (atacante que no 1º semestre defendeu o rebaixado Rio Preto na Série A-2), Antônio Carlos Ribeiro, e Felipe Torres Julio.