Cristian Ribera será o porta-bandeira do Brasil no encerramento das Paralímpiadas de Inverno - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Cristian Ribera será o porta-bandeira do Brasil no encerramento das Paralímpiadas de Inverno

18/03/2018

Cristian Ribera será o porta-bandeira do Brasil no encerramento das Paralímpiadas de Inverno

No último dia da Paralímpiada, Cristian, juntamente com Aline Rocha, competiu na prova do revezamento misto do esqui cross-country

O atleta do Peama-Jundiaí, Cristian Ribera terá um orgulho que poucos atletas do país podem ter. Ser o porta-bandeira do país em uma cerimônia de Paralímpiada ou Olimpíada. E o jovem de apenas 15 anos foi o escolhido pelo Comitê Paralímpico Brasileiro a ter essa missão na noite deste domingo em PyeongChang, na Coreia do Sul, no encerramento dos Jogos Paralímpicos de Inverno de 2018. O evento será às 19h no horário local, 7h da manhã pelo horário de Brasília. Esta é a segunda participação do Brasil em edições de Jogos de Inverno. Quem deseja acompanhar o momento de consagração de Cristian, carregando a bandeira brasileira, pode acompanhar no canal do Youtube do Comitê Paralímpico Internacional - https://www.youtube.com/user/ParalympicSportTV

Horas antes de carregar a bandeira do Brasil, Cristian competiu na prova de revezamento misto 4x2,5km do esqui cross-country. A equipe brasileira, que teve também Aline Rocha, terminou em 13º lugar a prova, com o tempo de 32min16seg. A vitória ficou com a equipe ucrania, com a prata ficando com os canadenses e o bronze com os alemães.


Apesar do último lugar na prova, Cristian e Aline demonstraram espírito esportivo e também muita força, já que o Brasil foi o único que teve dois atletas para participar de toda a prova – a cada 2,5km, teria que haver a troca dos participantes. A grande maioria dos países participantes tiveram três atletas, enquanto alguns participaram com quatro competidores – dois homens e duas mulheres.

Cristian fecha a sua 1ª participação em uma Paralímpiada com excelentes resultados. Além da prova de revezamento, ele participou em três provas individuais do esqui-cross country e em duas terminou no top-10, representando o melhor resultado de um brasileiro na história de uma Paralímpiada de Inverno. Ele terminou em sexto lugar na prova dos 15km e em nono nos 7,5km. Cristian foi ainda 15º na prova do 1,1km.

Em entrevista ao site do Comitê Paralímpico Brasileiro, ele disse que teve a sensação de dever cumprido com os seus resultados nas provas individuais. “PyeongChang foi muito além do que eu esperava. Consegui melhorar todas as minhas marcas e realizei um sonho, que era estar em uns Jogos pelo Brasil. Na próxima edição, tenho certeza de que estaremos ainda melhor preparados e, quem sabe, podemos buscar um top - em 2022 e uma medalha em 2026”, planeja o adolescente.

Cristian, de apenas 15 anos, foi o competidor mais jovem a participar dos Jogos Paralímpicos de Inverno, que ocorrem em PyeonChang, na Coreia do Sul e se encerram neste domingo. Ele foi o competidor mais jovem desta edição da Paralímpiada. Cristian nasceu com artrogripose – doença congênita das articulações das extremidades – e, em busca de tratamento, mudou-se de Rondônia para Jundiaí, sendo atleta do Peama. Aos 15 anos, já passou por 21 cirurgias para a correção das pernas e hoje, além do esqui cross-country, também faz natação, atletismo e anda de skate.  

Foto: Comitê Paralímpico Brasileiro