#4ªDivisão - Jornalistas e comentaristas opinam sobre o que esperam do Paulista na temporada - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: #4ªDivisão - Jornalistas e comentaristas opinam sobre o que esperam do Paulista na temporada

05/04/2018

#4ªDivisão - Jornalistas e comentaristas opinam sobre o que esperam do Paulista na temporada



O Paulista estreia no próximo domingo na 4ª divisão do Campeonato Paulista, o último nível que um clube profissional do estado de São Paulo pode estar. Será a primeira vez do Galo nesta divisão. O Esporte Jundiaí procurou jornalistas e comentaristas esportivos que trabalham atualmente ou já estiveram na editoria de esportes para saber o que eles esperam do Tricolor na competição, que é conhecida como o “porão do fundo paulista”.

Adilson Freddo - apresentador da Rádio Difusora Jundiaí
“Difícil pensar em acesso ainda. O clube tem tradição, mas isso ninguém levará em conta quando a bola rolar. Pelo contrário, os adversários virão ‘com a faca entre os dentes’. Vai passar da primeira fase, depois disso não poderão faltar o incentivo da torcida e o mais importante, os salários em dia”

Guilherme Barros - jornalista com passagens na TVE Jundiaí e TV Rede Paulista
“As três primeiras rodadas vão dar as direções ao Paulista. São elas que vão dar tranquilidade ou uma pressão ao trabalho do Sérgio Caetano, que assume um papel neutro nessa jornada. Sabe-se que abaixo da linha da quarta divisão do estado está a extinção do Galo, portanto voltamos a ser francos-atiradores: se subir, nada será mais que obrigação; se não subir, não será surpresa. Mas nunca é fácil de engolir a penumbra que o Paulista se encontra. No mais, é desejar força ao time e cobrar seriedade do trabalho da diretoria, este sim motivo de lamentáveis episódios pífios recentes”

João Carlos Coutinho - jornalista do Jornal da Cidade
“Vejo com mais tendência de o Galo ter os pés no chão e fazer uma campanha mediana. Se vier o acesso, seria uma grata surpresa. E explico a minha opinião: Acredito que pelo nível técnico da competição, em que pese alguns clubes tradicionais do interior como Comercial/SP, Francana, XV de Jaú, América de Rio Preto, entre outros, imagino que será baixo, mas neste momento pelo fato d o Galo ainda estar se reforçando, trazendo jogadores às vésperas da estreia contra Amparo, vejo essa situação como um obstáculo para o técnico Sérgio Caetano”

Anelso Paixão - jornalista com passagens por Jornal de Jundiaí e Estadão
“Confesso que não acompanho mais de perto o dia a dia do Paulista e até me recuso a acompanhar uma competição como está 4ª divisão estadual. É triste demais para a história do Paulista Futebol Clube ter de passar por isso. De qualquer forma, é a realidade e não há o que se discutir. Sinceramente, desde o triste fim do Projeto Novo Paulista, entendi ali algo que demorei muito para aceitar: Jundiaí desistiu do Paulista. E um time sem uma cidade, não tem como existir. Os times grandes vivem de suas torcidas. Os pequenos, de suas cidades. O Paulista perdeu sua essência, portanto. Assim, vai sobreviver, jogando o que lhe restar pela frente. Apesar do nome e da tradição, vai entrar nesta competição para fazer o que for possível. Como um torneio amador do estado, voltado para garotos sub-23, o Paulista vai cumprir sua sina. Uma cidade que nada oferece, nada pode cobrar. Portanto, nenhuma obrigação de subir cerca o time. Pena que nem as categorias de base sobreviveram, porque é apenas para isso que serve uma competição deste nível”

Marcelo Tadeu - narrador da Rádio Difusora Jundiaí
“Difícil um prognóstico para o Paulista fundamentalmente por não conhecer seus adversários e o próprio Paulista precisamente vamos conhecer mais seu potencial com bola rolando. Porém acredito no trabalho de seu treinador Sérgio Caetano e pelo peso da camisa do Galo numa série como essa em disputa imagino que é o time a ser batido na competição”

Felipe Torezim - jornalista do Jornal de Jundiaí
“Apesar de o elenco ser uma incógnita e dificultar uma análise, acredito que o clube não brigue por acesso. Tiveram um bom tempo para planejar o elenco e, a quatro dias da estreia, ainda não está fechado. Resta confiar no bom trabalho do Sérgio Caetano desde que chegou ao Paulista, tirando a participação na Copinha, mas o torcedor deve amargar mais um ano na última divisão. Não conhecemos os jogadores, né? Eles vêm de campeonatos que não assistimos, então pode ser que cheguem e arrebentem, mas também podem ser um fiasco”       

Heitor Freddo - apresentador da Rádio Difusora Jundiaí e repórter da TVB Record
“Esse vai ser o campeonato mais difícil que o Paulista já disputou em toda a sua história - e pode incluir Copa Libertadores e Copa do Brasil. Porque o Paulista chega numa situação delicada em sua história, financeiramente destruído, em uma competição deficitário e com a obrigação de subir. O Paulista tem um peso na camisa que não pode ser ignorado e quanto mais tempo ficar na 4ª divisão, mais difícil é sair deste fundo do poço. Os clubes tradicionais que ficaram se acostumaram a ela. Paulista não pode se acostumar a ficar na 4ª divisão e tem que trabalhar para subir já este ano. Ano que vem virão mais clubes tradicionais, com nome e história como Rio Branco de Americana, União Barbarense, Marília e Mogi Mirim e irão continuar duas vagas. O planejamento é para trabalhar e subir este ano, nada de querer entender o campeonato e subir logo. O fato de ter começado o trabalho cedo, pode ser um diferencial, pois um campeonato da 4ª divisão a palavra planejamento não é tão comum para esses clubes e apostar que no técnico Sérgio Caetano conhece de futebol. Ano passado a gente pode perceber que ele é um cara que entende de futebol e gosta de trabalhar, mas encontrou um elenco que não tinha maior motivação e respeito ao Paulista. Este ano o elenco foi montado por ele, que os jogadores vestiam a camisa pelo clube e o técnico Sérgio Caetano e ele também pode ser cobrado pelo elenco que montou”

Fábio Estevam - jornalista com passagens no Jornal da Cidade e Jornal de Jundiaí
“Não tenho acompanhado os treinos do Paulista, o trabalho do Sérgio Caetano e o time que está sendo montado. Mas algumas situações me chamam a atenção e em torno do mesmo personagem: Wilker. Sabe-se lá por qual motivo acabou não ficando. Mas veio, deu entrevistas, foi anunciado, e por "desencontro" saiu. Essas coisas vão continuar acontecendo no Paulista? Aí analisando currículo e principalmente temporadas recentes do jogador, fiquei me perguntando: o que credenciou esse jogador a vestir a camisa do Galo? Eu ficaria mais confortável em saber que foi cortado por deficiência técnica, do que por problemas de gerenciamento. Por essas questões, fico preocupado quanto a subir. Não acredito. Tem clube mais organizado nessa última divisão. Torcer para o Paulista eu vou. Sempre”

Gustavo Amorim - jornalista do Jornal de Jundiaí
“Pela história do Paulista, o clube começa a 4ª divisão do Campeonato Paulista com obrigação de subir. A torcida também cobrará isso - e deve fazê-lo. A pressão inicial vai ser imensa em caso de derrotas nas primeiras rodadas. Porém, quero aguardar os jogos para sentir qual é a real chance que o Tricolor terá na ‘Bezinha’. É um novo mundo para nós torcedores e jornalistas. São três titulares da Copinha 2017 no elenco - Zunquinha, Felipe Alemão e Moisés - mas a gente não pode pensar nos três como "craques" dessa equipe que perdeu o grande nome da competição de base este ano, o volante/meia Falcão. O reforço do atacante Jonathan Brito será muito importante se confirmado, e se ele também chegar com a gana de jogar que às vezes faltou na carreira. É o grande nome dos 20 jogadores que Sérgio Caetano têm no comando por enquanto. As esperanças são sempre as melhores. Mas de esperança a gente já está cansado”

Ayrton Miguel Vaz - repórter da Rádio Cidade Jundiaí
“É um time em fase de montagem. Já estava previsto que jogadores das Séries A e B chegararm na véspera e alguns sem condição de jogar. E está acontecendo com os demais clubes do campeonato. Conversei com o presidente do Amparo, Luciano Antonucci e não é diferente com o Amparo. Até agora só tem 16 jogadores registrados. Quanto ao campeonato, acho que vai atrair o torcedor de Jundiaí e região. É um campeonato que tem muita disputa por ser formado por jogadores que buscam um grande clube. Teremos disputas equilibradas e que vai atrair o falar em subir só depois da 5ª ou 6ª rodada. Toda equipe inicia o campeonato e tem aquele momento que o técnico pode falar; temos sim condição de buscar o título”

Rafael Porcari - comentarista de arbitragem da Rádio Difusora
“O Paulista está com os pés no chão, mas está econômico na montagem do time. Temo que os jogadores que chegam e saem em cima da hora atrapalhem o trabalho do Sérgio Caetano. Que é possível o acesso, pois o Paulista é o time grande da divisão sim, é possível, mas me preocupa”

Samuel Oliveira - repórter da Rádio Cidade Jundiaí
“Começa neste domingo para mim a competição mais importante da história do Paulista. Sim, mais difícil que uma Libertadores ou Copa do Brasil. A quarta divisão estadual significa o ostracismo do futebol e em caso de insucesso no acesso a possibilidade de ficar neste limbo indigesto. Fácil nunca será, o Galo precisará suar muito para conseguir uma das 2 vagas para a Série A-3. Outras camisas importantes não devem ser desvalorizadas, e esta chegada de reforços apenas há uma semana da estreia não me cheira bem”