Flávio Guerra, com efeito suspensivo, é sorteado para apitar Paulista x Sorocaba - Esporte Jundiaí

Propagandas

Flávio Guerra, com efeito suspensivo, é sorteado para apitar Paulista x Sorocaba

Imagem extraída do Site da Federação Paulista de Futebol - 16/02/2016
Flávio Guerra. Foto: Site Meu Timão
Flávio Rodrigues Guerra participou do sorteio desta segunda-feira, feito pela Comissão de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol e ganhou o sorteio, e assim apitará Paulista e Atlético Sorocaba nesta quarta-feira, às 20h, no estádio Jayme Cintra, pela sexta rodada da Série A2 do Paulistão. Ele que havia sido suspenso pelo STJD por 100 dias, em 30 de novembro do ano passado, apitará o jogo sob efeito suspensivo, no qual conseguiu e entregou a Federação (suspensão terminaria apenas em 9 de março). A informação do efeito suspensivo é do comentarista de arbitragem da Rádio Difusora, Rafael
Porcari, que falou sobre o assunto nesta segunda-feira, no programa Camisa 10, da TVE Jundiaí.

Porcari disse que conversou com José Henrique de Carvalho, vice-presidente da Comissão de Arbitragem da Federação, e Edmilson Corona, presidente da Comissão de Arbitragem da Federação, que contaram a ele que o árbitro conseguiu o efeito suspensivo na última semana.

O Esporte Jundiaí consultou o site do STJD – Superior Tribunal Federal (www.stjd.com.br) que tem como única ata de julgamento realizado este ano, no dia 27 de janeiro, na 1ª Comissão Disciplinar sobre o fato de Flávio Guerra ter apitado uma partida da Copa São Paulo de futebol junior, em janeiro deste ano, mesmo estando suspenso, no qual ele foi julgado e absolvido por este fato, enquanto a Federação Paulista por ter escalado Guerra em jogo da Copinha sofreu multa de R$ 30mil. Mas nenhuma informação sobre o efeito suspensivo até a noite desta segunda-feira no site do STJD (www.stjd.com.br). Uma matéria de 27 de janeiro do site do próprio STJD descreveu o seguinte sobre este julgamento dizia que o efeito suspensivo pedido por Guerra ainda seria julgado pelo Pleno do STJD de Futebol.

Porque Guerra foi suspenso?
Em 30 de novembro do ano passado, Flávio Guerra foi suspenso por 100 dias e mais R$ 1 mil de multa por infração cometida por ele em clássico paulista, disputado entre Corinthians e Santos, na Arena Corinthians, no segundo turno do Campeonato Brasileiro, no dia 20 de setembro, partida vencida pelo Timão por 2 a 0. Guerra foi julgado pela Quinta Comissão Disciplinar do STJD.

Na partida, o juiz assinalou pênalti do lateral santista Zeca, em cima do então atacante do Corinthians, Vagner Love. Só que Guerra, ao aplicar o cartão vermelho pela infração, mostrou para o zagueiro David Braz. Na sequência, narrou na súmula que o defensor reclamou de forma ofensiva contra sua decisão, fato que as imagens de televisão não comprovaram.

O defensor santista foi absolvido em julgamento em primeira instância no STJD, quando sua defesa confirmou tese de que ele não havia se dirigido à arbitragem. A Comissão Disciplinar baixou processo para averiguar infração de Flávio Guerra. A Procuradoria optou por denunciá-lo em dois artigos, o 259 e o 266, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) O 259 diz respeito a "deixar de observar as regras da modalidade". Já o 266 diz o seguinte: "Deixar de relatar as ocorrências disciplinares da partida, prova ou equivalente, ou fazê-lo de modo a impossibilitar ou dificultar a punição de infratores, deturpar os fatos ocorridos ou fazer constar fatos que não tenha presenciado". Os auditores absolveram Flávio Guerra no artigo 259 e decidiram aplicar 100 dias de suspensão, além de multa de R$ 1 mil, pela infração no 266.

Guerra escalado em jogo da Copa São Paulo que faz cair comissão de arbitragem
Este ano, em 14 de janeiro, Flávio Guerra apitou a partida São Paulo e Figueirense pela quarta fase da Copa São Paulo de futebol junior (vitória do São Paulo por 1 a 0 - gol da vitória oriundo de pênalti polêmico). Na época, a Folha de São Paulo publicou em sua versão na internet, no mesmo dia 14 de janeiro, que o procurador-geral do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), Paulo Schmitt, entende que Guerra não poderia ter participado da partida e iria denunciar o árbitro e a Federação Paulista de Futebol, responsável pela organização da Copinha.

Na época, Schmitt disse à Folha, que não via possibilidade de a partida ser anulada, com exceção se ocorrer um erro de direito, mas que era algo para análise do STJD. No mesmo dia, também a Folha, o Coronel Marcos Marinho, então chefe da comissão de arbitragem da Federação, admitiu que houve um esquecimento de que Guerra estava suspenso.”Não entrou em nosso sistema a suspensão. Passou batido, não seria conveniente tê-lo escalado”, disse Marinho. Ele afirmou que após a partida, após o fato ser lembrado, consultou o departamento jurídico da Anaf, a associação de árbitros do Brasil, que informou que, como a Copinha não é um torneio profissional, mas de atletas da base, Guerra poderia ter participado do jogo. Mas Schmitt rebateu: “Ele está suspenso, não poderia”, afirmou à Folha.

Dois dias depois, a Federação Paulista de futebol confirmou que o coronel Marinho não era mais o chefe da Comissão de Arbitragem da entidade. Em nota, a Federação Paulista de Futebol informa que a decisão de tirar Marinho foi tomada em comum acordo.

Por ter apitado um jogo da Copa São Paulo, Flávio Guerra e a Federação Paulista foram julgados pela 1ª Comissão Disciplinar, no qual Guerra foi absolvido e a FPF multada em R$ 30mil.

Guerra em jogos do Paulista
Ano passado, Flávio Guerra apitou uma partida do Paulista. Foi na 3ª rodada da Serie A2 do Paulistão, na Rua Javari, no empate por 1 a 1 entre o Galo e Água Santa. No jogo, o time de Diadema reclamou que Guerra não marcou um pênalti que o lateral Alan teria sofrido do zagueiro Leandro Alemão.

Em 2014, pela Série A1, Guerra ele atuou como árbitro adicional na partida que o Comercial, de Ribeirão Preto, venceu o Paulista, por 3 a 0. Neste jogo, Guerra não viu uma cusparada do atacante David Batista sobre o goleiro Marcelo Henrique.

Jogos do Paulista que tiveram Guerra como árbitro principal desde 2006
Além do jogo da Javari, Guerra de 2006 até 2013 esteve em outros nove jogos do Paulista como árbitro principal. Somando o jogo da Javari – 2015, nas partidas de Guerra, o Paulista obteve quatro vitórias, três empates e três derrotas, mas nos últimos três jogos do Tricolor que Guerra apitou, foram duas derrotas e um empate. Os jogos foram:
- Ituano 1 x 1 Paulista – Série B 2006 – 23/abr – Expulsou o zagueiro Pierre, do Ituano
- Paulista 1 x 0 União Barbarense – Copa Paulista 2007 – 2/set
- Paulista 5 x 1 Marília – Paulistão Série A1 2008 – 21/fev – Expulsou zagueiro Flávio Boaventura, do MAC
- Botafogo de Ribeirão 1 x 1 Paulista – Copa Paulista 2009 – 14/nov – Semifinal
- Paulista 1 x 0 Botafogo de Ribeirão – Paulistão Série A1 2010 – 21/mar
- Paulista 0 x 2 Mirassol – Paulistão Série A1 2011 – 27/fev
- Paulista 3 x 2 São Paulo – Paulistão Série A1 2011 – 23/mar – Jogo do gol 99 de Rogério Ceni pelo São Paulo, no qual marcou o tento de pênalti, que segundo o analista da TV Globo, Renato Marsiglia existiu
- XV Piracicaba 2 x 1 Paulista – Paulistão Série A1 2013 – 24/jan
- Paulista 0 x 1 Ponte Preta – Paulistão Série A1 2013 – 24/mar

Guerra nos jogos do Atlético Sorocaba
Flávio Guerra em 2014 apitou o jogo entre Atlético Sorocaba e Osasco Audax pela 11ª rodada da Série A1 do Paulistão, jogo que terminou 2 a 2, com o time sorocabano marcando o gol da igualdade no último lance, aos 50 minutos do segundo tempo. Na época, segundo matéria publicada pelo site do Jornal Cruzeiro do Sul, em 1º de março de 2014, enquanto os jogadores do Atlético Sorocaba comemoravam o gol de empate e até o maqueiro jogava a maca para cima, à beira do gramado, Fernando Diniz partiu para cima do quarto árbitro, reclamando do tempo de acréscimo. Isso porque, a princípio, o árbitro Flávio Rodrigues Guerra havia determinado 4 minutos de tempo extra, mas posteriormente concedeu mais 1 minuto por causa do atendimento médico a um jogador do Atlético. O jogo terminou logo depois e o técnico adentrou ao gramado e seguiu seu ritual de reclamações ríspidas com a arbitragem.

Segunda escala “polêmica” seguida em jogo do Paulista
Na última sexta-feira pela manhã (12) o Esporte Jundiaí trouxe uma matéria sobre a escalação de José Roberto Marques para estar em dois jogos no mesmo final de semana, por parte da Federação Paulista de Futebol. Ele estava escalado para no domingo estar como árbitro principal de  Votuporanguense e Paulista no domingo, às 10h, na Arena Plínio Marin, em Votuporanga, pela 5ª rodada da Série A2 do Paulistão. Um dia antes, ele estava escalado como quatro árbitro na partida entre Rio Claro e Osasco Audax, no estádio Augusto Schimidit Filho, em Rio Claro, jogo que começará às 19h, e válido pela Série A1 do Paulistão. Roberto Marques como 4º arbitro no sábado, provavelmente terminará seus trabalhos em Rio Claro, às 22h (jogo termina 21h, mas uma hora para preencher sumula, pegar assinatura dos capitães dos dois times nos vestiários e outros detalhes burocráticos que um quarto árbitro realiza em um jogo) e depois teria que encarar uma viagem de 348km, de Rio Claro para Votuporanga. Segundo o Google Maps, a viagem dura em média 3h35min. Mas na tarde da mesma sexta-feira a FPF retirou José Roberto Marques do jogo de Rio Claro colocando Anderson Cordeiro como quarto arbitro, deixando “Zé Roberto” apenas como árbitro no jogo que terminou com vitória do Votuporanguense por 1 a 0, sem grande polêmicas na questão arbitragem.

Teste de arbitragem na sexta-feira em Jundiaí
A Federação Paulista de Futebol marcou para a próxima sexta-feira, na pista do Bolão, em Jundiaí, a segunda chamada do Teste Físico do seu quadro de árbitros. Apenas os reprovados ou ausentes na primeira chamada devem participar, mediante agendamento via o site da própria entidade. Participam do teste os árbitros e árbitros assistentes da Federação, como também os estagiários para arbitragem que participam do curso ministrado pela entidade.

O sorteio ganho por Flávio Guerra
Guerra ganhou no sorteio de Thiago Duarte Peixoto para apitar o confronte entre Paulista e Atlético Sorocaba. Três bolas pares e ímpares foram colocadas no globo (pares – 4, 12 e 16 / ímpares – 3, 5 e 7). Flávio Guerra estava na coluna dos pares, que tinha como exemplo o árbitro Rafael Gomes Felix para a partida Marília e União Barbarense.  Thiago Duarte estava na coluna dos ímpares, que tinha também curiosamente Flávio Guerra para a partida entre Marília e União Barbarense. A bola sorteada foi a 12, indicada pela coluna de Flávio Guerra para o jogo do Galo Jundiaiense. Thiago Duarte que na coluna par estava para Mirassol e Guarani, apita o jogo da próxima quinta-feira no José Campos Maia.

Foto extraída do site da Federação Paulista de Futebol - 16/02/2016

Foto extraída do site da Federação Paulista de Futebol - 16/02/2016

Thiago Batista – Esporte Jundiaí