08/03/17 - Esporte Jundiaí Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março 8, 2017

Paulista deve contratar um atacante do futebol do Nordeste até sexta-feira

Por Thiago Batista – Esporte Jundiaí Foto: Thiago Batista
O Paulista poderá contratar um atacante que está atuando no futebol nordestino. A diretoria do clube espera que o jogador desligue do clube onde está atuando nesta quinta-feira, para acertar toda a documentação na CBF e assim inscrever o atleta na sexta-feira na Série A-3 do Campeonato Estadual. A sexta-feira é o último dia para os times da competição regularizarem os atletas e poder inscrever a lista final de 28 atletas. O atacante, que não teve nome revelado, esteve atuando pelo seu clube nesta quarta-feira, a pedido do presidente do clube onde ele atua, fato que pode dificultar a negociação.
Até o momento o Tricolor tem 26 jogadores inscritos na A-3. Faltam um goleiro e um jogador de linha. Segundo o gerente de futebol do Paulista, Antônio Carlos Nogueira de Sá Jr., o clube pode também contratar um terceiro goleiro, a pedido do treinador Sérgio Caetano. Ele gostaria de um atleta mais experiente para a função. Mas pelo curto t…

A-3: 9ª rodada “goleadora” coloca diferença do Galo, 17º para o 6º de apenas 4 pontos

Por Thiago Batista – Esporte Jundiaí Foto: Thiago Batista
A Série A-3 do Campeonato Estadual está praticamente chegando a metade da primeira fase. Nesta quarta-feira ocorreu a disputa da 9ª rodada, que deixou a competição completamente embolada. E foi uma jornada ofensiva, já que foram anotados 32 gols nos 10 jogos disputados, sendo a rodada com maior quantidade de gols na edição 2017 (média de 3,2). O recorde de gols curiosamente era da rodada anterior, a 8º, com 28 tentos (média de 2,8). A 2ª rodada havia registrado 27 tentos (média de 2,7). A 9ª jornada da Série A-3 deixou a diferença do 17º, Paulista, que está dentro da zona de rebaixamento, para o Taboão da Serra, 6º colocado, dentro da zona de classificação para os playoffs, em apenas 4 pontos. O Galo tem 10 pontos enquanto o time da Grande São Paulo tem 14.
Curiosamente o Taboão, 6º colocado tem a mesma quantidade de pontos que o Monte Azul, 9º colocado. Eles, além de Rio Branco e Marília além dos 14 pontos tem a mesma quantidad…

Guilherme Barros: Sérgio Caetano já tem o meu respeito!!!

Por Guilherme Barros Jornalista

Sérgio, não que você tenha um sobrenome agradável. Mas, já tem o meu respeito, que seja lá ele nulo. Nós vivenciamos raridades no futebol, e confesso que, como um pequeno corneta, torcedor ausente, comentarista sem base na modalidade, seu trabalho é de enorme esperança. Vamos acreditar!

A-3: Um golaço para abrir vitória! Ingro anota 1º e Paulista vence Noroeste

Por Thiago Batista – Esporte Jundiaí Foto: Thiago Batista
Vídeo dos gols: TV FPF
Depois de um mês, o Paulista voltou a vencer como mandante na Série A-3 do Campeonato Estadual. Mostrando um bom futebol, principalmente no 2º tempo, o Galo venceu o Noroeste por 3 a 0, na noite desta quarta-feira, no estádio Jayme Cintra, pela 9ª rodada da primeira fase. Foi a segunda partida que o Tricolor venceu em casa na competição, e a 3ª nesta “Terceirona”. Destaque na partida para Ingro, que marcou dois gols, sendo um belo - no inicio do 2º tempo, em chute de rara felicidade, do local onde ele arriscou.
Com a vitória, o Paulista agora tem 10 pontos, mas não saiu do 17º lugar. Os resultados da rodada não ajudaram muito, e a distância dele sair da zona de rebaixamento continua em três pontos. Só que a vitória deixa o Paulista próximo até do G-8, já que a distância dele para o oitavo colocado é de apenas quatro pontos. Mas a derrota colocou o Noroeste em situação real de descenso, já que o time entrou …

Érika Drozd Pereira está eliminada da chave de duplas do Future de SP

Por Thiago Batista – Esporte Jundiaí Foto: Divulgação
A jundiaiense Érika Drozd Pereira está eliminada da chave de duplas do Circuito Future de São Paulo. Ela, ao lado de Nathalia Rossi perderam para as brasileiras Nathaly Kurata e Eduarda Piai, em sets diretos, com parciais de 6/1 e 6/2. O jogo durou apenas 49 minutos.
O confronto era para ter ocorrido na última segunda-feira, mas por conta das chuvas que atingem o Clube Athletico Paulistano, o confronto somente foi possível ser disputado nesta quarta-feira. Na chave de simples, Érika Drozd Pereira foi eliminado ainda na 2ª rodada do torneio qualificatório.

O Paulista chegou novamente aos 30 minutos, em cruzamento de Euzébio, que Ingro mandou de cabeça, mas a direita do gol. Outra boa chance ocorreu aos 40, novamente em cruzamento do lateral-direito, que Caldeira, livre, em vez de mandar para frente, mandou para trás. A jogada culminou em contra-ataque que Rodolfo chutou longe do gol.

Mayara Amorim – corredora e professora de educação física: O que é ser mulher

Por Mayara Amorim – Corredora (atletismo), ex-jogadora de futebol e formada como professora de educação física Fotos: Divulgação
O que é ser mulher?
Ser mulher é ter uma sensibilidade apurada, e estar sempre pronta para acalentar aquele que necessita, seja com uma palavra ou um gesto de carinho.
É sempre estar em estado de atenção,
É ter um olhar de fragilidade e ao mesmo tempo de sedução, Ser mulher é como ser uma pedra preciosa, onde deve ser cuidada, lapidada e principalmente ser admirada! Ser mulher é ter essência e acreditar em dias melhores.
Sem nós mulheres não existiria encantamento, e principalmente não existiria vida, pois carregamos em nosso DNA a dádiva da VIDA!
Mulheres guerreiras e sensíveis, fortes e corajosas! Mulheres capazes de lutarem dias e noites por aquilo que acreditam!

Mulher, simplesmente símbolo de vida!

Luciane Zanatta – torcedora do Paulista: Vivi momentos excelentes junto com o Galo

Por Luciane Zanatta – torcedora e conselheira do Paulista Fotos: Thiago Batista
Comecei a frequentar o Jayme Cintra quando criança, meu pai me levava para os jogos junto com ele.  Foi assim que nasceu a paixão pelo Paulista.
Sempre fui nos jogos em Jayme Cintra e em alguns foram. De uns 3 anos para cá tenho ido mais nos jogos fora de casa, conhecendo novas cidades, novos estádios. Sempre acompanhando o Galo.
Em todo esse tempo de torcida, vivi momento excelentes junto com o Paulista, mas também vivi momentos tristes com o tricolor.
Estive presente em jogos inesquecíveis como a final da Copa do Brasil, o jogo contra o River Plate na Libertadores de 2006. E em jogos que a gente não gosta de lembrar, como rebaixamento em 2007 no Brasileiro.
Mesmos nos momentos difíceis como esse que estamos vivendo agora, sempre apoiei e acreditei que o Galo conseguiria dar a volta por cima e viver dias melhores  
Em todos esses anos também fiz muitos amigos através do futebol, torcedores, funcionários …

Tatisa Zonaro – treinadora de futebol: Brasil, país do futebol (feminino)?

Por Tatisa Zonaro – treinador do futebol feminino do Paulista Fotos: Thiago Batista
Brasil, país do futebol! Será mesmo? Podemos entender que futebol no Brasil é sim um esporte que apaixona todos os brasileiros, porém se levarmos em consideração toda falta de estrutura da maioria dos times do Brasil, esta realidade só se faz presente no sentimento dos torcedores e praticantes.
E o que falar do futebol praticado pelas mulheres! Isto é um desafio. Quando se diz respeito a modalidade, não nos deparamos apenas com a falta de estrutura dos clubes, ligas, associações, federações e prefeituras, mas também nas dificuldades que muitas enfrentam contra o preconceito até mesmo dentro de casa.
Precisamos entender, primeiramente, que o esporte é importante tanto para meninos como para meninas, proporcionando benefícios para ambos os sexos.  A cultura de se praticar o futebol no Brasil desde criança é normal para os meninos, porém para as meninas é bem diferente. Um exemplo da diferença cultural é n…

Emadin Paola, atleta do futsal de Jundiaí: Futsal feminino de fibra!!!

Por Emandin Paola – atleta do futsal feminino de Jundiaí Fotos: Divulgação

O futsal feminino enfrenta muita dificuldade, desde preconceitos, patrocínio, valorização e entre outras coisas. Como o esporte é pouco valorizado, poucos times no país conseguem pagar um salário para suas atletas, outros com algumas bolsas de estudo e outros nem isso. Por conta disso temos que conciliar trabalho, estudos, e ainda assim ter tempo para treinos e jogos, além das meninas que precisam acima disso tudo, cuidar da família e até filhos.
Tudo é feito com muito esforço, dedicação e muita paixão pelo esporte. Onde o tempo que temos aos finais de semana para passar com a família, temos que dividir com viagens e jogos. O prazer e a sensação de poder estar fazendo o que se gosta, o que é realmente uma paixão, é inexplicável.
Mas apesar de todas e quaisquer dificuldades que enfrentamos, pelo preconceito em mulher jogar futsal, em ir a jogos, independente de tudo o que prevalece é o amor pelo que fazemos.  So…

Nada a se comemorar... Time feminino do Paulista sofre furto de chuteiras e camisas

Por Esporte Jundiaí Foto: Facebook – Paulista – Futebol feminino
O futebol feminino do Paulista deveria ganhar um presente nesta quarta-feira, Dia Internacional da Mulher, mas recebeu foi algo muito triste. O time teve furtado material de treinamento, que é usado diariamente pelas atletas.
A comissão técnica ao chegar na manhã desta quarta-feira no centro esportivo do Romão de souza, se deparou com os materiais de esporte revirado na sala dos professores, e foi percebido que ocorreu uma invasão no local, roubando pertences do time feminino da cidade. Foram levadas algumas chuteiras e camisetas de treino. Segundo informações publicadas pelo perfil no Facebook do time feminino do Paulista, não ocorreram sinais de arrombamento na sala, e a equipe do voleibol também teve prejuízos. 

Nirielle Fortes, diretora do Atecubanos: Mulher no comando e no futebol: Sim!!!

Por Nirielle Fortes – diretora do Atecubanos (clube da Série A do Amador de Jundiaí) Fotos: Divulgação

O futebol sempre foi de um mundo masculino, onde mulheres ocupam lugar na arquibancada simplesmente para acompanhar e torcer, dificilmente se colocam a frente de alguma tarefa que demande sua participação direta. Até mesmo no profissional, quando aparece uma bandeirinha mulher, basta um erro e pronto! Todos já criticam dizendo que a falha ocorreu apenas pelo fato de ser uma mulher. Razão pela qual, subentende-se que em pleno século 21, com as mulheres liderando em muitos segmentos, ainda existem algumas discriminações em relação ao sexo feminino neste departamento.  Talvez seja por isso que haja poucas mulheres a frente de um time de futebol em geral.
No meu caso a paixão falou mais alto e no ano de 2003 surgiu o Atecubanos no bairro de Botujuru, em Campo Limpo Paulista. No princípio era apenas para participar de um campeonato de futsal, mas como o time já se sagrou campeão pela prime…

Liliane Rossi - jornalista: Presenciei muitos títulos e esporte de qualidade!!!

Por Liliane Rossi - jornalista Fotos: Thiago Batista

Mais um Dia Internacional da Mulher chegando, mais uma vez é hora de fazer aqueles balanços. No mundo do esporte, as mulheres conquistam, cada dia mais, seus espaços. É só zapear os canais esportivos da tv paga e também da aberta e ver elas ancorando programas e debates. Hoje, as meninas começam a ocupar espaços que antes eram só deles, os meninos do esporte.
Eu fui uma adolescente apaixonada por futebol. Cresci vendo o Doutor Sócrates, Casagrande e toda a Democracia Corintiana. Fanática por Fórmula 1, acompanhei do primeiro ao último Grande Prêmio do meu ídolo, Ayrton Senna. Durante a faculdade sonhava ser jornalista setorista de esportes. Não deu. A vida profissional me levou para outros caminhos. Cobri muito pouco esporte, mas este pouco foi de muita qualidade e de muitas conquistas.
Tive a chance de viver o momento de glória do nosso Paulista Futebol Clube, na época Etti Jundiaí, ou só Jundiaí, porque as emissoras evitavam a marc…

Mayra Tomine – atleta do futsal: Palavras de goleira!!!

Por Mayra Tomine – goleira do futsal feminino de Jundiaí Fotos: Divulgação
Ser goleira de futsal é algo emocionante, explosivo ! Uma sensação boa sem pensamentos negativos ... Eu sou goleira desde os 12 anos, e me apeguei muita a essa posição!
Entrar em um ginásio lotado uma coisa que arrepia e esfria a barriga ... Infelizmente o futsal feminino não tem muito valor mais nunca desistimos sempre procuramos o melhor, do mesmo jeito que o masculino ganha seus recursos a gente também tem direitos e vontades, sonhos ..
Acho que todas nós temos um sonho e quanto a gente começa a jogar. O primeiro deles é se tornar a grande jogadora de futebol, de ser a estrela de sair do Brasil ser famosa ! Mais infelizmente não temos apoio não temos alguém que veja nossos esforços todos os anos pra continuar de pé ...
Temos esperança sim de algum dia mudar tudo isso ! Desejo não só a nossa modalidade mais sim como as outras que passam por dificuldades, que lutam todos os anos que as vezes vão para os treino…

Ligia Galbiati – atleta de rugby: Estamos aqui para quebrar paradigmas!!!

Por Ligia Galbiati – atleta de rugby do Wallys Fotos: Divulgação
Quando falamos que jogamos rugby é muito comum ouvirmos: nossa, mas você é mulher, e não tem medo de se machucar?
Por ser um esporte de contato e associado à masculinidade, ainda hoje somos questionadas de por que jogarmos rugby. Afinal de contas, mulher que se suja, mulher cheia de hematomas, mulher de chuteira, mulher de unhas curtas, mulher musculosa? Isso não é atraente! Mas é exatamente por isso que a participação das mulheres nesse esporte é tão importante.
Estamos aqui para quebrar paradigmas e mostrar que mulher não é adereço, mulher não é bibelô, mulher não foi feita para embelezar o mundo, a existência da mulher não se resume a ser atraente para o sexo masculino, mulher não tem um papel delimitado na sociedade e mulher não é sexo frágil coisa nenhuma. Jogamos rugby porque amamos o esporte e isso não tem nada a ver com sexo biológico ou orientação sexual.
Infelizmente, além das dificuldades naturais enfrentadas…

Teresa Orru, jornalista: Um mundo chamado futebol

Por Teresa Orru – jornalista Fotos: Divulgação

Desde bem pequena o futebol sempre esteve presente em minha vida. Tenho lembranças de meu pai assistindo à partidas de futebol, seja de seu time do coração, o Corinthians, seja do Brasil, disputando Copa do Mundo. Sem falar que era bem comum eu, meus pais e minhas duas irmãs irmos ao "Campo do Radium" assistir às partidas do time da cidade, o Radium Futebol Clube, em Mococa-SP. Mas nunca me imaginei cobrindo uma partida.
Quando trabalhei no Jornal de Jundiaí, há alguns anos, fui convidada pelo editor de esportes a fazer parte daquela editoria durante os plantões. Confesso que fiquei bastante insegura, uma vez que não sabia quase nada de futebol, esporte que mais tem destaque no caderno. Mas com o tempo fui aprendendo um pouco sobre as regras desse mundo tão estranho até então pra mim.
No começo foi bem complicado, já que era tudo tão novo. Afinal, as lembranças futebolística estavam associadas ao meu pai, e não eu assistir às par…

Jéssika Carvalho – atleta do JFF: Jogar flag football é mostrar a nossa força

Por Jéssica Carvalho – atleta do time de futebol americano do Jundiaí Flag Football Fotos: Divulgação

É um desafio ser mulher. Todos os dias acordamos e tentamos nos firmar num mundo onde tudo que é feito pelo homem é mais bem feito, a menos que estejamos falando de cuidar de um lar. 
É difícil jogar futebol americano no Brasil. Todos os dias tentamos nos firmar no país da bola redonda, onde todos os holofotes e incentivos são voltados aos times de futebol.
Agora, imagine o quanto é difícil jogar futebol americano sendo mulher. A alegria é que o time de Jundiaí de Flag Football disponibiliza a nós, mulheres, a mesma atenção que para os homens, senão mais. Nós mulheres, já tomamos conta das publicações do Facebook, Instagram e nos sentimos valorizadas e recompensadas a cada treino.
Jogar flag football é encontrar um momento da semana para vermos nossas companheiras, mostrar que somos boas de chuteira no pé, que podemos ser melhores a cada semana, mostrar o poder feminino, mostrar como c…