Rafael Porcari: As intrigantes questões de Palmeiras, Botafogo e Sindicato dos Treinadores - Esporte Jundiaí

14/02/2018

Rafael Porcari: As intrigantes questões de Palmeiras, Botafogo e Sindicato dos Treinadores


Três perguntas inquietantes do começo da semana no futebol:

 1- O Palmeiras tem um jogador que poderia estar na Seleção Brasileira, caso Tite desejasse: chamasse Lucas Lima, de passes geniais, ótimo armador, onipresente em campo e que joga com “a faca entre os dentes”. Resta apenas uma dúvida a mim: fisicamente, tem semelhança a um outro jogador que deve ser homônimo dele, um tal de Lucas Lima, que em 2017 estava no Santos. A propósito: de onde veio esse Lucas Lima palmeirense e para onde foi o Lucas Lima santista?

 2- Felipe Tigrão, ex-jogador do Botafogo e que jogou 20 minutos pelo Paulista de Jundiaí no final dos anos 2000 (pedindo para sair do clube), atualmente é treinador de futebol utilizando seu nome de batismo, Felipe Conceição. E ele foi demitido com apenas 7 jogos por má avaliação do trabalho. Mas me assusto ao ler que ele tinha contrato assinado por 3 anos! Ora, tem que demitir quem o contratou e ofereceu tal tempo de trabalho. Receberá quanto de multa rescisória?

 3- Os treinadores de futebol começaram a fazer protesto de 1 minuto de silêncio pela demissão de Osvaldo de Oliveira do Atlético Mineiro. Estão apoiando Osvaldo por culpa do episódio que envolveu Léo Gomide, jornalista que fez “perguntas e respostas” a ele e a entrevista acabou em discussão. Teria o Atlético demitido por culpa disso (embora o clube negue)? O certo é: se os treinadores estão magoados com o time mineiro, que não aceitem o convite como novo treinador do Atlético! Aliás, lembram do protesto hilário de Vanderlei Luxemburgo tapando a boca por conta própria? Ali não existiu outra coisa se não um grande “circo”. A verdade é: no futebol, a ética, o profissionalismo e o respeito estão em baixa há muito tempo…