Bolão terá noite de boxe no dia 7 de abril. Terá disputa de título latino-americano e brasileiro - Esporte Jundiaí

13/03/2018

Bolão terá noite de boxe no dia 7 de abril. Terá disputa de título latino-americano e brasileiro

Táynna, Simone, Patrick e Davi estarão nos principais embates no dia 7 de abril

O ginásio do Bolão, maior palco do esporte jundiaiense, vai viver uma noitada de boxe no próximo 7 de abril com a disputa de dois títulos, um nacional e outro internacional, e a promessa de muita adrenalina. Ao todo serão sete confrontos com início às 17 horas e a última luta prevista para as 21 horas. No principal duelo da noite, Patrick Teixeira, de Santana do Parnaíba, enfrenta Davi ‘El Loco’ Eliasquevici, de Santa Catarina, valendo o título latino americano dos supermeio-médios pela Organização Mundial de Boxe (OMB). Um pouco antes, a jundiaiense Táynna Cardoso disputa o título brasileiro dos pesos pena contra Simone Duarte, da Baixada Santista.

Título latino-americano
Patrick Teixeira tem 28 anos, nasceu em Santa Catarina, mas vive em Santana de Parnaíba desde os 15. Virou profissional aos 18 e tem uma trajetória impressionante, com 28 lutas e 27 vitórias. Apenas uma derrota. “Sou muito focado no trabalho. Treino forte e os resultados estão aparecendo”, conta.

Com tantas vitórias, coleciona títulos, como o de campeão latino-americano dos meio-médios, em 2014, título conquistado em Jundiaí, campeão intercontinental, no México, e campeão do Fedecentro, em São Paulo, todos na mesma categoria. Chegou a ser o 11º da categoria no ranking mundial.   Por ser de uma cidade próxima a Jundiaí, espera contar com o apoio da torcida local. “Acho que vou me sentir em casa, porque já lutei na cidade, sou da região e gosto de Jundiaí. Tenho certeza que a torcida vai se animar com o espetáculo.”

Essa também é a garantia de Davi Eliasquevici, de 28 anos, natural de Americana e que atualmente vive em Florianópolis, Santa Catarina. O apelido de “El Loco” não é por acaso. “Comigo é ganhar ou perder no nocaute. Coloco o coração de leão ali dentro. Não tem essa de ficar esperando não.” Os números confirmam isso. De suas 14 vitórias, 11 foram por nocaute. “El Loco” coleciona os títulos brasileiro e sul-americano dos supermeio-médios. “Entro para decidir. Tomo a iniciativa mesmo. Ganhei esse apelido do meu treinador, Kelson Pinto, justamente por isso. Sou um cara agressivo no ringue.”

O estilo, porém, também já lhe custou quatro derrotas e um empate. Mas nada disso o assusta, nem mesmo o fato de Patrick estar mais próximo de casa. “Sei que eu sou o cara de fora neste combate e sei também que isso pode interferir na decisão dos juízes. Então, não quero dar margem para erros. Além disso, conheço o Patrick. Ele trabalha bem na longa e na média distância, mas minha mão entrando posso definir a luta.”

Título brasileiro feminino
Táynna Taygma Santos de Cardoso é nascida em Belém e iniciou a carreira aos 15 anos. Atualmente, compete pelo Nacional, de Jundiaí, e é treinada por seu pai, Luís Cardoso.  Com mais de 200 combates amadores (e apenas 15 derrotas), Táynna, de 29 anos, resolveu só agora iniciar a trajetória profissional. Mas pela experiência nos ringues, vai logo de cara se aventurar ao título brasileiro pelo Conselho Nacional de Boxe, órgão que representa o OMB no Brasil. O título está vaga e a desafiante escolhida para o combate, Simone Duarte, de 34 anos, tem também um vasto currículo, inclusive como profissional.

Táynna é a atleta que mais conquistou títulos brasileiros.  Foi campeã paraense em 2005 e veio para São Paulo em 2006. Chegou em Jundiaí em 2009. Desde a chegada a São Paulo coleciona títulos como campeã paulista e brasileira em 2005 e de 2007 a 2016 consecutivamente, nas mais variadas categorias (51 kg, 54 kg, 57 kg e 60 kg). Traz ainda na bagagem uma medalha de bronze no evento teste para os Jogos Olímpicos do Rio-2016. Internacionalmente, foi campeã “Los Centuries Montana”, na França, em 2014 e 2017, e do Torneio Brasil/Canadá, no Canadá, em 2017. “Chegou a hora de tentar uma luta profissional e, como o título está vago, resolvi disputar o cinturão brasileiro”, explica Táynna. “Enfrentar a Simone vai ser excelente, porque é lutadora experiente e muito dura. Tenho certeza que será um grande espetáculo para o jundiaiense, que poderá ver uma luta de boxe de alto nível.”

E as qualidades de Simone confirmam a expectativa de Táynna. Simone, nascida em São Paulo, já tem 26 lutas como profissional com 15 vitórias. Foi campeã sul-americana em 2010,  em São Paulo, campeã internacional em 2013, na África do Sul, e  campeã mundial em 2016, na Alemanha. “Conheço a Táynna desde novinha e ela me conhece. Uma respeita a outra, mas lá em cima, cada uma vai querer fazer o seu melhor e levar o título”, avisa Simone, “Tenho muitos títulos internacionais, mas falta um título brasileiro e é isso que vou buscar neste combate.”

Outros combates
A partir das 17 horas, o torcedor poderá acompanhar grandes duelos no ginásio do Bolão. A programação é a seguinte:
Peso Supergalo – Hugo Paiva da Silva x Tiago Vieira Saraiva
Peso Médio – Lucas Veloso Araujo x Janio Carvalho Santos
Peso Superpena – Helio Florentino Moura Junior x Wendel Rafael da Costa Santos
Peso Supermédio – Rogério Pereira x Jonathan Santos de Souza
Peso Superpena – Agnaldo Nunes Magalhães x Lucas de Oliveira da Silva
Peso Pena – Táynna Cardoso x Simone Duarte
Peso Supermeio-médio – Patrick Teixeira x Davi Eliasquevici.

Ingressos
Os ingressos podem ser adquiridos antecipadamente em vários pontos espalhados pela cidade e região. O valor é R$ 60 para arquibancada (estudantes, portadores de deficiência, idosos e as pessoas que levarem um quilo de alimento não-perecível pagam meia-entrada a R$ 30); R$ 70 para cadeiras (meia-entrada a R$ 35) e R$ 100 para área vip, dentro da quadra (meia-entrada a R$ 50).

Os bilhetes podem ser adquiridos em Jundiaí no Centro de Lutas Academia Jr, Droga Centro, Frank Multimarcas, Galheta Jundiaí, Lojas Barrage Centro e Maxi Shopping, MMA House e Perfeita Forma; em Campo Limpo Paulista na Galheta e Morbidelli; e em Franco da Rocha na Rodrigo Breves.

Fotos: Divulgação