Thiago Batista - Paulista de 2005 é superior ao Corinthians de 2018 - Esporte Jundiaí

10/10/2018

Thiago Batista - Paulista de 2005 é superior ao Corinthians de 2018


Nesta quarta-feira, o Paulista virou tema de um programa de televisão. No Fox Sports Rádio, usaram o Galo de 2005, campeão da Copa do Brasil, como um campeão surpresa, fato que pode vir a acontecer com o Corinthians em 2018, pela qualidade da equipe de Parque São Jorge. Juca Kfouri no Linha de Passe na sexta-feira e na última segunda-feira também fez o mesmo. E comparavam como se o Tricolor jogasse "feio". Mas se comparar time por time, o Paulista de 2005 é muito superior ao Corinthians, mas muito. E que o Paulista não jogava de forma "rídicula", "horrorosa" em nenhum momento. Em alguns momentos jogava para frente, era ousado.

Primeiro, o time do Galo não era 11 atrás da linha da bola os 90 minutos. Nunca foi. Em nenhum jogo desta fase. Apenas fez isso nos 45 minutos iniciais da segunda partida da semifinal contra o Cruzeiro, e tomou 3 gols.

O Paulista de 2005 sabia marcar muito bem. Com exceção da segunda partida da semifinal e do confronto de volta contra o Botafogo na 2ª fase, mostrou sempre uma defesa sólida, forte, e tinha um meio-campo extremamente marcador. E um ataque que sabia o que fazer com a bola - e tinha um contra-ataque mortal. Diferente do Corinthians, que alguns momentos é extremamente covarde.

A dupla de zaga Anderson Batatais e Dema, dois “beques de Fazenda”, com estilos diferentes. Dema tinha velocidade para fazer as antecipações. Batatais era preciso nas coberturas, fazendo bem a sobra. E quando um dos dois não jogava, entrava o jovem Réver, de estilo mais clássico, e com ótima qualidade de passe.

A atual dupla do Corinthians é Henrique e Léo Santos. Henrique é um defensor que tem boa qualidade, mas Léo Santos é de provocar calafrios a qualquer momento.

Nas laterais, concordo que Fagner é melhor que o Lucas no lado direito. Mas na esquerda Julinho ou Fábio Vidal - que sempre atuaram no setor são muito superiores a Danilo Avelar - especialmente em como se posicionar na linha de defesa.

Mas o mesmo meio-campo que era forte na marcação, tinha técnica e jogava muito bem ofensivamente. Cristian tinha ótimo passe e excelente arremate de média-longa distância. Amaral era ótimo marcador, e tinha qualidade na saída de bola. Juliano era um meia, que se adaptou muito bem como um “meia/volante” pelo lado esquerdo, sempre ajudando na marcação e sendo o homem do passe na armação.

O meio-campo do Corinthians hoje tem Ralf, que é bom na marcação, mas já não vive um grande momento, e sempre errou passes, com Gabriel, que tem técnica, mas usa a violência sempre na frente para parar as jogadas. Matheus Vital pode ser o 3º meio-campista no Corinthians, tem técnica, mas peca em alguns momentos na marcação. E não tem ritmo constante para 90 minutos.

No setor ofensivo, o Paulista sobrava em relação ao Corinthians. Primeiro, o Galo em boa parte da Copa do Brasil tinha um centroavante: Finazzi, que apesar de não fazer gols, fazia muito bem o papel de “parede”. E na decisão André Leonel cumpriu muito bem a função. O alvinegro no time titular não tem ninguém que faz está função - o jogador mais adiantado é Jadson, que sobra na qualidade comparado com os dois centroavantes do Galo.

Nos jogadores dos lados, o Paulista para mim ganha de goleada. Léo e Mossoró são superiores a Clayson e Romero. A carreira de Mossoró nem dá para comparar com os dois corintianos - Mossoró ajudava muito o meio-campo, tinha qualidade nas arrancadas e ótima precisão nas finalizações. Léo fazia muito bem o vai-vem para ajudar na marcação e aparecia bem no espaço vazio.  Clayson tem como qualidade o drible, mas toma muitas decisões erradas e é irregular. Romero é um jogador esforçado, que hoje é mais um “volante-atacante” do que um jogador ofensivo.

No gol, Cássio é ótimo. Mas Rafael Bracalli no Paulista foi excelente - nunca deixou a desejar. Empate técnico.

Com todos estes argumentos, repito, o Paulista, campeão da Copa do Brasil de 2005 é muito superior ao Corinthians deste ano, em todos os setores no campo. Mas jogo de playoff permite tudo. Mas chamar que o Paulista de 2005 jogava feio, é bom rever os vídeo-taipes dos jogos, para rever os seus conceitos. Especialmente da 1ª partida da decisão da Copa do Brasil, os 2 a 0 contra o Fluminense.