O Paulista conquistou neste sábado o título da 4ª divisão do Paulistão. E foi com um jogo de altas e baixos no Jayme Cintra, mas com drama feliz no final que o Galo empatou por 3 a 3 com o Marília neste sábado (2), alegrou os mais de 7mil torcedores presentes na casa do Galo, que assistiram o jogo de volta da decisão. Um jogo que cinco dos seis gols da partida foram de cabeça. E o gol do título foi de testa, aos 44 minutos do segundo tempo, como foi a última conquista em casa, em 2010 – Copa Paulista, gol de Rodrigo Sabiá.


Com a torcida empurrando desde o início, o Tricolor tentou evitou ao máximo as faltas laterais e próximas da entrada da área. Sofreu um pouco no começo com jogo aéreo ofensivo do MAC, mas aos 16 minutos, o Paulista foi fatal neste tipo de jogada. Yan cobrou escanteio na esquerda e João Paulo de cabeça, subiu mais alto que todo mundo para fazer 1 a 0, Paulista.


Jogando com uma grande vantagem (Galo tinha a vantagem de poder até empatar para conquistar o título, continuou dominando a partida e quase ampliou aos 26 minutos, em cobrança de falta de Yan, que Brunão quase desviou contra.


Só que a bola aérea do MAC apareceu de novo aos 28 e foi certeira. Em cobrança de falta de Praxedes, Brunão subiu mais alto que toda a defesa do Galo e empatou o jogo. 1 a 1.


E os 17 minutos finais foram de domínio do MAC, sempre levando perigo na joga aérea. Mas não marcou o gol. E o time visitante ainda começou melhor a etapa final, com belo chute de Breno, que Matheus Morais fez grande defesa.


Só que no futebol o que importa é bola na rede. E aos 7 minutos, em cruzamento da direita, o baixinho Matheus Morais se inspirou no Romário, para de cabeça na pequena área marcar o segundo gol do Tricolor. Ainda com grande colaboração do goleiro Geílson, que foi “mão mole” no lance.


Depois, o Paulista procurou se defender. E foi castigado logo aos 15 minutos. Em nova jogada área, o MAC empatou por 2 a 2, com Breno, de cabeça.


O Galo sentiu o gol. Ficou nervoso. E discutia com a arbitragem. Até a comissão técnica se envolveu nas reclamações. E sobrou para o técnico Edson Fio, que recebeu cartão amarelo. Foi a primeira advertência com cartão na história do Galo para um treinador da equipe profissional.


O Marília, mais consciente, aproveitou os erros do Paulista que ficou todo exposto, e numa jogada de contra-ataque, Dener, fez o terceiro dos visitantes, na saída de Matheus Lopes, aos 27 minutos.


Mas a história de 2010 se repetiu. Aos 44 minutos, também em jogada áerea. E novamente um zagueiro se torna herói. Em cobrança de falta de Yan, João Paulo subiu mais alto para empatar o jogo, e decretar o título ao Galo.


PAULISTA - 3
Matheus Lopes; Victor Emerson, Mingotti, João Paulo e Yan; Gabriel Terra e Pedro Demarchi (Carlinhos); Nenê, Matheus Morais (Kawan) e Jeferson; Edinan (Felipe Lavrador). Técnico: Edson Fio

MARÍLIA - 3
Geilson; Mima, Raphão, Brunão e Praxades; Hebert, Mikaell e Ícaro (Eduardo); Erik Bessa (Matheus), Breno (Dener) e Lucas Lima. Técnico: Ricardo Costa

Árbitro: Douglas Marques
Auxiliares: Gustavo Rodrigues e Evandro de Melo

Cartões amarelos
Paulista: Gabriel Terra, Matheus Morais, Mingotti e Edson Fio
Marília: Erik Bessa


Cartões vermelhos
Marília: Eruno Miguel e Mykaell

Gols
João Paulo, aos 16 minutos do 1º tempo (1-0)
Brunão, aos 28 minutos do 1º tempo (1-1)
Matheus Morais, aos 7 minutos do 2º tempo (2-1)
Breno, aos 15 minutos do 2º tempo (2-2)
Dener, aos 27 minutos do 2º tempo (2-3)
João Paulo, aos 44 minutos do 2º tempo (3-3)

Público: 7.895
Renda: R$ 126.260,00

Fotos: Gustavo Amorim / Divulgação - Paulista FC