PUBLICIDADE

Jundiaí: Campeão oito vezes no Amador, Ipiranga fecha as portas

PUBLICIDADE


Perto de completar 100 anos (em novembro de 2020), a Associação Atlética Ipiranga, na Vila Arens, está fechando as portas. No futebol amador da cidade, o Ipiranga é o terceiro clube com mais títulos na história. Foram oito no total.

A agremiação foi a segunda a conquistar um título, em 1928. No ano seguinte, faturou o torneio novamente, sendo o primeiro bicampeão na história do município. O Ipiranga ainda foi campeão nos anos de 1933, 1934, 1956, 1958, 1959 e 1960.

Por duas vezes, na década de 60, a Associação Atlética Ipiranga disputou a Terceira Divisão do Campeonato Paulista do futebol profissional, atualmente a Série A3 do Paulistão.

O clube, fundado em 9 de novembro de 1920, jogou em 1961 e 1962 a ‘Terceirona’, mandando suas partidas no próprio bairro da Vila Arens, no estádio do Nacional Atlético Clube. Como comparação, nestes dois anos, o Paulista estava na Segunda Divisão, a atual Série A2 do Estadual.

Mesmo não indo longe nos dois anos, o Ipiranga teve um resultado histórico: venceu o Gran São João, de Limeira, em casa, por 7 a 0.

No período que foi profissional, o clube da Vila Arens enfrentou times que fizeram história no futebol do interior, como o Estrada de Sorocaba e o Ituano.

O tricampeonato de 1958, 59 e 60 com nomes históricos como Nivaldo Bonassi e Wilson Martini no time empolgou os dirigentes, que resolveram inscrever o clube nos campeonatos profissionais da Federação Paulista de Futebol, segundo explicação do historiador Ivan Gottardo.

Em duas assembleias, associados em geral e sócios patrimoniais decidiram por encerrar as atividades, devido às dívidas que o clube possui. O valor é de aproximadamente de R$ 1 milhão e o prejuízo só está aumentando, pois a receita mensal do clube é inferior às despesas. Atualmente, os gastos para manter o clube aberto são de R$ 30 mil por mês, e o orçamento mensal, com tudo que é arrecadado, é de no máximo R$ 10 mil (apenas 50 sócios aproximadamente), conforme explicação do presidente do conselho deliberativo, Ardrovanni Cipolatto, ao Jornal de Jundiaí, no dia 19 de dezembro.

“A gente tinha dívidas com a CPFL. Para não deixar cortar a luz, nunca deixamos de passar o vencimento de três contas. Tínhamos dívidas com a DAE, com fornecedores e com a prefeitura”, conta.

O valor da dívida do clube pode aumentar, segundo o presidente do conselho, mas gira em R$ 1milhão. Em dezembro, a administração municipal entrou com um processo na Vara da Fazenda Pública do Foro de Jundiaí contra o clube, cobrando R$ 123.738,02 de dívida ativa. Até o momento, o clube não tinha regularizado o Habite-se e também não recolhia o FGTS desde 2016.

O processo para o fechamento do Ipiranga deverá levar pelo menos mais seis meses. Localizada na Vila Arens, a área tem aproximadamente 3.200m2 e o valor ainda não foi avaliado, mas possíveis interessados já existem. “Uma igreja veio nos procurar, só que não queremos propostas de papo, queremos por escrito”, diz Ardrovanni Cipolatto.

Jundiaí: Campeão oito vezes no Amador, Ipiranga fecha as portas Jundiaí: Campeão oito vezes no Amador, Ipiranga fecha as portas Reviewed by Thiago Batista on 08:00 Rating: 5

Últimas - Confira!!!

PUBLICIDADE