Por Thiago Batista
Foto: Divulgação

Os bastidores do futebol amador jundiaiense estão agitados. Na última quarta-feira cerca de 20 representantes de clubes do futebol amador de Jundiaí estiveram reunidos na sede da Vila Ana e podem não jogar as competições organizadas pela Liga Jundiaiense de Futebol (LJF) caso mudanças na sua estrutura não ocorram. Alguns representantes de times pedem até o impeachment do presidente Serginho Aguiar.

Em entrevista para o Jornal de Jundiaí, o atual mandatário da Liga, acredita que o encontro foi político. “Se existiu a reunião, eles têm que apresentar a proposta de campeonato e regulamento. Existe uma comissão de clubes que está cuidando de toda a minuta das regras do torneio. A Liga é democrática e transparente”, disse.

A principal queixa dos clubes é a falta da transparência e não cumprimento de itens do regulamento – itens abordados por Osmar Marineli, diretor de futebol do Caldeirão – até o ano passado ele exercia o mesmo cargo no Estrela da Ponte e Alexandre Israel da Silva, o Duda – presidente da Ponte Preta da Agapeama, em entrevista ao JJ.

No encontro de quarta-feira participaram dirigentes do Cruzeiro Morada, Atlético Medeiros, Vila Progresso, Ponte Preta, Real Doze, Vila Cristo, Floresta do japi, Meias Aço, Unidos do Cecap, Lyon, Novo Horizonte II, Vila Ana, União Mineira, Unidos de Minas, Caldeirão, Sampdoria, Catorze, Sanca, Fut-Rap, Tulipas, Eloyork, Marlene, Império, Fundão, Bola Mais Um, União Panta, Estrela da Ponte, Chuta Coco e Juventude do Tamoio.

Os clubes “rebeldes” se organizaram nas redes sociais e até montaram um grupo onde organizam as próximas ações, segundo apurou a reportagem do Esporte Jundiaí. Um abaixo assinado virtual ocorre através de um site na internet e já tem a assinatura virtual de 244 pessoas. A pretensão é colher 300 assinaturas virtuais.

O movimento tem apoio de jogadores e treinadores que foram campeões do Campeonato Amador como o atacante Diego Fernandes e o treinador Jean Carlos.