Ex-governador do Estado de São Paulo e também ex-presidente do São Paulo, o empresário Laudo Natel, 99, morreu nesta segunda-feira, dia 18 de maio, na capital paulista, onde residia. A causa e o horário exato da morte não foram divulgados pela família.

Natural de São Manuel, interior paulista, Natel virou sócio do clube em 1946 e a partir de 1952 passou a colaborar como diretor. Começou como tesoureiro, assumiu a diretoria de finanças e foi eleito presidente em 1958, sucedendo Cícero Pompeu de Toledo.

Foi na gestão dele que o São Paulo começou e finalizou as obras do Morumbi. Ele conseguiu a doação do terreno e as autorizações junto à prefeitura para que a construção fosse possível. Também conseguiu parceiros para investir na obra.

Ainda sem estar completamente acabado, o Morumbi foi inaugurado em outubro de 1960 e chegou a ostentar durante muitas décadas o título de maior estádio particular do mundo. Mas a construção gerou um impacto administrativo no São Paulo.

As contas do clube foram totalmente direcionadas para o estádio, e a equipe ficou sem nenhuma taça de 1958 até 1969.

Mesmo com poucos recursos, Natel tentou fortalecer o time para brigar com o Santos de Pelé e o Palmeiras da Academia de Futebol, mas era muito difícil fazer frente aos rivais. Ambos dominaram aquela década do futebol regional e nacional.

Quando era do financeiro, Natel participou da vinda de Zizinho em 1957, ano que terminou com o título do Paulista. Já como presidente investiu na vinda de craques como Jair Rosa Pinto (1961), Didi (1966), Toninho Guerrero, Gérson e Pedro Rocha (todos no ano de 1970).

Ficou como presidente até 1971, quando se afastou. Além do estádio, viu dois títulos do Campeonato Paulista (1970/1971).

Natel também fez carreira pública de destaque. Foi vice-governador do Estado de São Paulo de 1962 até 1966, quando assumiu no lugar de Adhemar de Barros, cassado pelo governo militar. Voltou ao cargo entre 1971 e 1975, quandoi eleito indiretamente.

Por Espn.com.br /// Foto: Divulgação