O retorno do futebol carioca, em meio à pandemia do novo coronavírus (covid-19), ganhou nesta quinta-feira (28) mais um personagem: o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ). A instituição recomenda a suspensão de tal possibilidade até que os órgãos públicos de saúde atestem a queda do número de contaminados e de óbitos. O MPRJ ainda instaurou uma portaria abrindo um inquérito sobre o caso. Segundo a última atualização da Secretaria de Saúde, o estado do Rio de Janeiro registra 44.886 casos confirmados de covid-19, e 4.856 mortes. A capital lidera o número de óbitos (3.293), seguida das cidades de Caxias (220), Nova Iguaçu (159) e Niterói (99).

A recomendação da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva e Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Capital é para o prefeito Marcelo Crivella e à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj). A instituição afirma que instituição afirma que "só assim será possível a flexibilização de forma segura das normas de isolamento e distanciamento". 

Procurada pela Agência Brasil, a Ferj se manifestou por meio de sua assessoria de imprensa, da seguinte forma: “a entidade ratifica, uma vez mais, seguir as diretrizes das autoridades municipais de saúde e que, no momento, por não ter autorização para realizar partidas do campeonato na cidade do Rio de Janeiro, mesmo que de portões fechados, sem a presença do público, não o fará (...) até que deixe de existir impedimento ilegal”.

Contactada, a Prefeitura disse que “vai prestar todos os esclarecimentos solicitados pelo MP-RJ”. No último domingo (24), quando se reuniu com 14 dirigentes do 16 clubes que participam do Campeonato Estadual  - exceto Botafogo e Fluminense -, Crivella disse que o retorno do Carioca dependeria da curva de casos da covid-19 na cidade. No dia seguinte, os mesmos dirigentes se reuniram com integrantes da Ferj, por videoconferência, e chegaram ao consenso de possível retonro da competição no dia 14 de junho, inclusive com a viabilidade de realização de jogos fora da capital.

Botafogo e Fluminense são contrários a mudanças de regulamento e solicitaram a impugnação da reunião da última segunda-feira (25), cuja ata foi assinada pelos dirigentes do Vasco, Flamengo e outros 12 clubes. 

O MPRJ ressalta ainda que o eventual retorno do Campeonato Carioca de Futebol de 2020, ainda que sem público nas praças esportivas, na atual "situação de emergência" em saúde em que se encontra o município do Rio de Janeiro, fatalmente incentivará a aglomeração de pessoas no entorno dos estádios em dias de jogos e a quebra das regras de isolamento social, e de outras medidas de prevenção à covid-19, gerando risco à vida e à saúde do torcedor.


Por Agência Brasil