PUBLICIDADE

Capital de São Paulo permite reabertura de clubes sociais e centro paralímpico

PUBLICIDADE


A Prefeitura de São Paulo regulou o funcionamento de clubes sociais e o Centro Paralímpico e durante a pandemia, por meio de termos de compromisso assinados neste sábado (27) pelo prefeito Bruno Covas com entidades ligadas a esses locais. Os espaços poderão reabrir desde segunda-feira (29), desde que implementem as medidas necessárias de segurança e higiene, que podem incluir o fornecimento de máscaras, distanciamento social, modificações físicas no local de trabalho e regras de triagem de usuários. Já o Centro Paralímpico volta aos treinos dia 1º de julho. Nos clubes, a abertura não contempla ainda as áreas para atividades esportivas.

“Eu não tenho a menor dúvida de que parte do segredo da estratégia de reabertura aqui na cidade de São Paulo ter dado certo foi ter chamado os setores para dialogar e discutir com os próprios setores como deve se dar essa reabertura”, disse o prefeito. “Ninguém conhece melhor as atividades de vocês do que vocês mesmos.”

Segundo o prefeito, é muito melhor os setores apresentarem suas propostas para serem avaliadas pela vigilância sanitária. Ele acrescentou que o setor de clubes decidiu fechar durante a pandemia para colaborar com a prefeitura. Ambos poderiam estar funcionando, mas decidiram apresentar seus protocolos de segurança antes.

Na última sexta-feira (26), a capital paulista avançou para a fase amarela do Plano São Paulo, do governo do Estado, mas vai aguardar até a próxima sexta, 3 de julho, para analisar se os setores poderão adotar as regras da fase amarela. Durante a próxima semana, os setores ainda deverão seguir as regras da fase laranja.

Centro Paralímpico
O retorno das atividades será feito em duas etapas: a primeira, com treinos realizados individualmente por atletas medalhistas e a segunda, com treinos em grupos pequenos.

Os atletas e funcionários deverão ser submetidos a testes (PCR e rápidos) e passar por avaliação médica antes do início dos treinamentos. Os testes para detecção do novo coronavírus deverão ser repetidos a cada dez dias.

Mais de 140 atletas treinavam nas instalações antes da pandemia. Nesta fase de reabertura, não mais que 50 pessoas, em horários distintos, poderão fazer uso do equipamento esportivo.

Os ambientes deverão ser ventilados; a limpeza, reforçada e os vestiários ficarão fechados.

Os treinos serão realizados em espaços abertos e com agendamento de horários, evitando o contato com outros atletas antes do ambiente ser higienizado.

Os serviços de massoterapia; crioterapia; hidroterapia e terapias manuais prolongadas estão suspensos.

Clubes
Deverão permanecer fechadas áreas infantis, atividades coletivas (culturais, esportivas e físicas) orientadas por profissionais (técnicos, instrutores e preparadores físicos), quadras poliesportivas, bares, restaurantes e lanchonetes, piscinas e academias. Haverá apenas a reabertura das áreas comuns, que nunca tiveram a obrigação de estar fechadas. Apenas quando a capital estiver na fase 4, os clubes poderão reabrir as áreas para atividades esportivas.

Para evitar a superlotação das dependências do clube em horários determinados, será necessário estabelecer rodízio de dias ou horários para que os espaços sejam frequentados pelos sócios.

A obrigatoriedade do uso de máscaras por todos os colaboradores e sócios permanece, especialmente nas reuniões e nos ambientes compartilhados.

Os clubes deverão recomendar a idosos, portadores de doenças crônicas como diabetes, cardiopatias, hipertensão e asma, grávidas e puérperas, que permaneçam em isolamento nas suas respectivas casas.

Por Redação Esporte Jundiaí – Agência Brasil /// Foto: Divulgação
Capital de São Paulo permite reabertura de clubes sociais e centro paralímpico Capital de São Paulo permite reabertura de clubes sociais e centro paralímpico Reviewed by Thiago Batista on 16:00 Rating: 5
PUBLICIDADE