O Campeonato Brasileiro nas Séries A e B no sistema de pontos corridos ser disputado em 2020 é algo que já pode ser previsto: impossível de terminar exatamente neste ano. De 9 de agosto até 30 de dezembro, temos 42 datas disponíveis (rodadas quartas e domingos). Só que temos Copa do Brasil.

A Copa do Brasil ocupa 9 datas e assim torna inviável as 38 rodadas este ano do Brasileirão. Somente 33. No mínimo 5 rodadas do Brasileirão 2020 devem ser em janeiro de 2021, caso se mantenha as 38 rodadas.

2º semestre de 2020
1º semestre de 2021

O problema de transferir a finalização do calendário de 2020 em 2021 é que atrapalha o calendário do próximo ano, com campeonatos estaduais, nacionais e continentais. E a dificuldade aumenta em 2022, quando a temporada terá que ser encerrada em outubro, já que na 2ª metade de novembro terá inicio a Copa do Mundo programada para o Catar.

Isso sem contar o quanto o coronavírus pode atrapalhar o calendário do mundo, com a segunda, terceira, quarta ondas de contágio, enquanto não for descoberta uma vacina ou remédio eficaz para a covid-19.

Com todas essas premissas, ideal é o futebol brasileiro pensar em um calendário de transição em 2020: tentar terminar o Brasileirão neste ano. 38 rodadas em pontos corridos eu descartaria essa temporada.

Na minha visão, o melhor ao Campeonato Brasileirão é ser disputado em um único turno, com os oito melhores se classificando aos playoffs. Quartas de final, semifinal e final em melhor de dois jogos, com a vantagem do empate no placar agregado para o time de melhor campanha na fase classificatória.

Do 9º ao 12º uma disputa de torneio de consolação, em séries eliminatórias de duas partidas. Fazer essa disputa pode ser necessária e até motivante até porque pode ocorrer do Brasil ter 9 times na Libertadores.

E os oito piores disputariam um torneio do rebaixamento também em sistema eliminatório, de duas partidas, um pouco diferente. Do 17º ao 20º ocorrem confrontos (17º x 20º, 18º x 19º) onde os perdedores já serão rebaixados e os vencedores participam de uma segunda eliminatória contra queda. Do 13º ao 16º ocorrem séries (13º x 16º, 14º x 15º), onde os vencedores se salvam automaticamente do rebaixamento, e seus perdedores enfrentam os vencedores da série de 17º ao 20º. A segunda parte eliminatória seria simples: dois jogos, e quem vencer se salva, quem perder cai.

Com este formato que sugiro o Brasileirão precisaria de 25 datas. Ou seja, 8 datas ficariam livres, que podem ficar para a Copa Libertadores. E o calendário de 2021 poderia ser melhor pensando e o de 2022 mais ainda. E discutir melhor o que fazer com os Estaduais que a cada dia tem menos importância no futebol brasileiro.

Por Thiago Batista
Jornalista e editor-responsável do Site Esporte Jundiaí