PUBLICIDADE

Thiago Batista: O momento não é de jogar futebol. Talvez no fim de agosto

PUBLICIDADE


A pandemia do novo coronavírus impede a mais de 100 dias dos amantes do futebol, de jogar aquele seu futebol seja durante semana nas quadras de salão ou de society da sua cidade, ou no fim de semana seja nos campos de futebol, e até mesmo jogando o chamado campeonato de futebol amador. A saudade deve ser grande, e acredito que não dá mais para aguentar a espera. Só que data hoje, 2 de julho de 2020, ainda não é momento de jogar futebol. Nem mesmo jogos profissionais.

A cada dia os números da covid-19 nas cidades não abaixam. Somente aumentam, e o pior é a quantidade de casos ativos e o número de contaminados que estão em ascensão. O risco de contaminação ainda existe e alto.

O grande problema não é o jogar futebol em si. Só que a transmissão em momentos digamos que a gente relaxa. No vestiário apertado onde 20 atletas dividem um local pequeno por metro quadrado, onde a troca de gotículas de saliva e contatos físicos são inevitáveis. Seja naquele encontro pós-jogo que é o grande prazer dos peladeiros, regado a uma bebida (refrigerante ou cerveja) com algum tipo de petisco (ou carne). Nos jogos de campeonatos de futebol amador o deslocamento de torcedores e até mesmo eles acompanharem as partidas um ao lado do outro.

O futebol é um esporte que por si só gera aglomeração. É inevitável, seja no âmbito amador ou no âmbito profissional. Por estes pontos sou contra o retorno do futebol. Na verdade, sou contra o retorno do esporte. Pois não pode dar exclusividade no retorno do esporte para volta do futebol profissional ou amador, e os outros esportes que “se explodam”. Todos devem de ter o mesmo tratamento.

E para finalizar esta coluna (que será retomada a partir de agora), os treinos profissionais de futebol para mim deverem ser impedidos neste momento, pois por menor quantidade de pessoas que circulem, ainda gera aglomeração dentro do centro de treinamento. Como o comércio data hoje gera aglomeração. E abrir shopping também.

O Brasil está abrindo as suas coisas no momento que a curva de contaminados, mortes e casos ativos não abaixou de forma considerável. O risco de mais gente contrair a doença é grande. E o momento ninguém quer chorar que alguém está com covid-19. O que todos desejam é que o mais rápido possamos nos alegrar com gols, passes, piques, saques, voleios que existe no esporte.

Só que para isso é hora de a população brasileira parar de transferir a responsabilidade para A, B ou C e todos juntos fazer um isolamento de verdade, de pelo menos 20 dias, para o contágio da doença diminuir, e a chamada vida normal retornar. Quem sabe no fim do mês de agosto com bola rolando nos campos e quicando nas quadras...


Por Thiago Batista
Jornalista e editor-responsável do Site Esporte Jundiaí
Thiago Batista: O momento não é de jogar futebol. Talvez no fim de agosto Thiago Batista: O momento não é de jogar futebol. Talvez no fim de agosto Reviewed by Thiago Batista de Olim on 13:30 Rating: 5
PUBLICIDADE