Presença constante nas finais dos torneios de vôlei no Brasil e até mesmo na América do Sul desde 2009, quando foi criada, a equipe masculina do Sesi parte para uma temporada no mínimo diferente.

William, Éder, Lucas Loh, Alan e Sidão, além do técnico Rubinho. Esses são apenas alguns dos nomes de peso que não tiveram os contratos renovados e deixaram a equipe. Assim, o Sesi deu a largada para a temporada 2020/2021 nessa semana com um plantel recheado de caras novas, com muitos atletas ainda juvenis.

A principal referência dentro da quadra vai ser o campeão mundial e medalhista olímpico Murilo Endres, que aceitou uma redução salarial para permanecer na equipe.

No comando da jovem equipe do Sesi, também estará um estreante com técnico de times adultos, mas com muita história dentro das quadras. Marcelo Negrão, campeão olímpico nos Jogos de Barcelona, em 1992, e ex-técnico do time sub-19 do Sesi, vai encarar o primeiro desafio na Superliga.

“Sempre tive a consciência de que precisava conhecer mais do meu próprio esporte. Não é porque eu fui da seleção, campeão olímpico, que eu sei tudo. Por isso optei por começar justamente no mirim. Foi uma coisa minha. Implantando o meu método de treinos, e lembrando também das coisas que eu aprendi com Zé Roberto, Bebeto de Freitas, Bernardinho e muitos outros. Achei que era a atitude mais correta”, salientou à Marcelo Negrão, de 47 anos.

Por Redação Esporte Jundiaí – Agência Brasil