Comentarista opina que goleiro Bruno não pode jogar com tornozeleira por risco de lesões - Esporte Jundiaí

Propagandas

Comentarista opina que goleiro Bruno não pode jogar com tornozeleira por risco de lesões



Por Thiago Olim - Foto: Divulgação – Reprodução / Instagram

 

Uma notícia na tarde desta terça-feira chamou bastante atenção da internet, no mundo esportivo. O goleiro Bruno terá uma novidade para dar continuidade a sua carreira como profissional no Rio Branco do Acre. Por decisão judicial, o atleta terá que usar tornozeleira eletrônica durante toda sua pena em regime semiaberto no estado do Acre, e isso inclui até em treinamentos e jogos.

 

O Esporte Jundiaí consultou o comentarista de arbitragem da Rádio Difusora, Rafael Porcari, sobre o assunto, e para ele, o goleiro Bruno não pode estar nos gramados profissionais por conta do equipamento oferecer risco de lesões, especialmente aos adversários.

 

“A tornozeleira não pode ser retirada e recolocada simplesmente. Se ele tem que ficar o tempo todo com ela, sendo um material que não são só para o jogo e que tem tal custo, se eu sou a Justiça, não permito que ele jogue sem.  E se eu sou o árbitro, aparentemente podendo lesionar ele próprio ou alguém, não permito que ele jogue com. Outra coisa: onde vai a caneleira? Seria possível usar ambas? Não pode jogar sem elas”, indaga.

 

De acordo com o pedido do Ministério Público do Acre, expedido pelo juiz da Vara de Execuções Penais, Hugo Torquarto, todos os reeducandos em regime semiaberto fazem uso do equipamento eletrônico. Portanto, Bruno não é uma exceção e terá que usar a tornozeleira de forma ininterrupta.

 

"Os reeducandos no regime semiaberto no Acre usam tornozeleira eletrônica. Outros estados não sei, alguns usam e outros não, mas aí vai de cada estado. No Acre usa. Não poderia ser diferente dele, porque ele não é melhor que ninguém, não é porque ele é famoso que não vai colocar", explicou o promotor de Justiça Tales Fonseca Tranin.

 

Entretanto, existe a possibilidade de revisão da decisão do uso da tornozeleira durante os jogos. Cabe ao advgado da defesa comprovar que não existe a possibilidade do equipamento durante os treinos e as partidas.

 

Bruno assinou com o Rio Branco do Acre em junho deste ano para tentar retomar a carreira de goleiro profissional. Aos 35 anos, Bruno cumpre regime semi-aberto pelo assassinato da modelo Eliza Samúdio.

Postar um comentário

0 Comentários