Por Thiago Olim - Foto: Thiago Olim

 

Acredite se quiser, o único árbitro neste século que não conseguiu terminar um jogo final do Campeonato Amador de Jundiaí, em virtude de uma atuação ruim dele dentro de campo, vai apitar a partida Paulista e Olímpia no sábado, às 15h, no estádio Jayme Cintra. Alysson Fernandes Matias – ele mesmo, vai comandar o jogo que retoma a Série A3 neste final de semana.

 

Nota da Redação: Na opinião deste repórter que escreve a matéria – Thiago Olim, que é o responsável pelo Esporte Jundiaí, trata-se tecnicamente do pior árbitro que já apitou (e apita) uma partida de futebol, seja amadora ou profissional, no tempo que este jornalista é vivo (33 anos). A opinião se resume a sua atuação dentro das quatro linhas, sendo as piores na média, sempre que este repórter observou ele como árbitro em uma partida de futebol.

 

Com 44 anos, Alysson Matias é arbitro formado desde 2001, e fará o seu primeiro jogo desde que retornou o futebol profissional em São Paulo. O último jogo que ele apitou foi em 14 de março, em Santa Barbará D’ Oeste, quando o Capivariano venceu o Nacional por 2 a 0 pela A3. Fugindo do seu normal, neste jogo ele mostrou dois amarelos. na Copa São Paulo, em uma partida chegou a mostrar nove vezes o cartão de cor amarela.

 

Jogos - 2020     A   V

CAP 2 X 0 NAC    2   0

ESB 1 X 1 BAT    6   0

MAC 1 X 1 OLI    7   0

VEL 4 X 1 BAR    5   2

DBR 1 X 1 NAC    3   0

NOR 1 X 0 MAC    4   0

RPR 1 X 0 COM    4   0

MAU 2 X 2 AVA*   5   0

AGS 1 X 1 TRE*   9   0

MÉDIA           5,0 0,2

* Jogos da Copa SP / Os outros jogos são todos da A3

 

Suas vindas a Jundiaí são quase sempre de poucas lembras boas – onde a parte disciplinar do jogo se perde e não termina com 22 jogadores em campo. Até mesmo como quarto árbitro. Em 2016 foi o árbitro reserva na partida Paulista 2 x 2 São Caetano, pela Série A2 daquele ano. O jogo apitado por Márcio Roberto Soares terminou com dois cartões vermelhos para o Azulão e oito amarelos (quatro para cada lado).

 

O último jogo que ele apitou em Jundiaí foi em 2014, pela Copa Paulista – o confronto terminou em vitória jundiaiense por 1 a 0, gol marcado por Tutinha. E neste jogo distribuiu cartão “a rodo” – foram quatro amarelos para o Galo e três para o time de Americana. Ainda ele expulsou o auxiliar-técnico do Rio Branco, Raphael Pereira da Silva por ter se exaltado e xingado um dos auxiliares do jogo.

 

Em 2009, na partida entre Campinas e Paulista, também pela Copa Paulista, que terminou em empate por 1 a 1 na terra campineira (gol de Felipe Pinto para o Galo), ele distribuiu muitos amarelos também: oito, sendo cinco para o Campinas e três para o Galo.

 

A final que não conseguiu terminar em Jundiaí

Suas atuações quase sempre não são boas na opinião deste repórter. Até mesmo no futebol amador. Ele foi o árbitro que não conseguiu terminar umafinal dentro de campo. Precisou correr para os vestiários, devido a uma confusão dentro de campo na partida entre Grêmio Marlene 0 x 3 União da Vila, em 2009, pelo 2º jogo da decisão do Campeonato Amador de Jundiaí. Em vez de deixar os jogadores calmos, deixou os atletas muito nervosos, em um jogo que virou “bélico”, com muitas faltas.

 

Até mesmo o calmo Paulinho Kobayashi perdeu a paciência, e recebeu o cartão vermelho do árbitro jogando pelo União da Vila. Erik Mamadeira, com passagem no futebol profissional do Galo, na época jogador do Marlene, também perdeu a paciência e tentou agredir um jogador adversário no fim. Com “medo”, Alysson Matias precisou correr para os vestiários e foi de lá que encerrou a partida.

 

Ameaçado de morte

Apesar de ter arbitragens muito ruins, não é motivo de receber ameaças de morte como ocorreu no ano passado. Segundo matéria do site FutebolInterior, na derrota por 3 a 3 no dérbi de São José dos Campos para o São José não foi bem digerida pelo Joseense.  De acordo com a súmula  que ele Alysson Matias escreveu, a comissão técnica do Joseense se exaltou com a marcação da penalidade máxima para o São José, já nos acréscimos do segundo tempo. Segundo ele, o técnico Rafael Attili e o médico Waldir Attili Júnior fizeram cobranças pesadas. O primeiro teria chamado o juiz de filho da p... e o ameaçado de morte, enquanto o segundo, além de ter tentado uma agressão, teria falado “que o Tigre tinha sido roubado”.

 

Veto do São Paulo Futebol Clube na APF

Segundo matéria do portal NDMais, baseada na AgênciaLancenet, publicada em 2015, o São Paulo agiu pediu o veto do árbitro Alysson Fernandes Matias das partidas das categorias de base do clube. O juiz foi pivô de confusão no CFA Laudo Natel, em Cotia, durante jogo da Copa Ouro sub-17 e fez com que a Associação Paulista de Futebol (APF) enviasse pedido de desculpas formal ao Tricolor pelos incidentes.

 

A revolta dos são-paulinos com Alysson foi motivada por uma arbitragem polêmica durante a vitória de 3 a 2 sobre o Red Bull Brasil, que garantiu o time da capital na semifinal da Copa Ouro.

 

O São Paulo reclamou que o juiz permitiu jogadas violentas, criado animosidade entre as equipes e ainda arrastado o zagueiro Rodrigo para fora do campo após o beque cair com cãibras no gramado.

 

Alguns pais que assistiam ao jogo também se revoltaram com a situação, assim como o diretor da base, Alexandre Médicis. O gerente-executivo Júnior Chávare e o coordenador técnico Diego Cabrera tentaram acalmar os mais exaltados e procuraram o quarteto de arbitragem para conversa ainda no fim da partida.

 

Relato de agressão em 2017

Segundo matéria publicada no portal Band.com.br, em 2017, na Série A3, durante o jogo entre Independente e Noroeste, na última quarta-feira, o atleta Jé, da equipe de Limeira, agrediu o árbitro Alysson Fernandes Matias, de acordo com a súmula da partida.

 

O profissional da arbitragem relatou que, após ser expulso com o cartão vermelho direto, o jogador deu um tapa em seu braço direito. Em seguida, proferiu, com o dedo em riste: "pode me relatar seu merda. Eu não tenho medo de nada, seu bosta".

 

Opinião do especialista

Em seu blog na internet, o analista de arbitragem da Rádio Difusora 810 AM de Jundiaí, fez uma breve análise sobre as atuações de Alysson Matias.

 

“Ele é alto, tem “presença” em campo, tecnicamente razoável, possui boa experiência mas disciplinarmente, nas partidas em que atuou do Paulista, não foi bem. Não dá “química” em Jundiaí. Curiosidade: Alysson foi árbitro da polêmica final do Campeonato Amador de Jundiaí em 2009, numa confusa decisão. Estranho a FPF não se atentar a esse detalhe. Normalmente, existem praças esportivas que alguns árbitros são evitados para trabalhar, justamente por algum entrevero. Mas torço para que ele tenha uma grande atuação, afinal, não estaria há tanto tempo no quadro se não tivesse qualidades. É honesto e boa gente. Quem sabem, sem torcida, possa trabalhar sem nervosismo”, descreveu.

 

Equipe de arbitragem

Os auxiliares de Alysson Matias são Edson Rodrigues dos Santos e Patrick André Barduail. O quarto árbitro será Ricardo Bittencourt. Ainda estará em Jayme Cintra o avaliador de campo, Márcio Verri Brandão.