Por Thiago Olim - Foto: Divulgação

 

Nas fichas técnicas sobre a carreira de Luiz Carlos Ferreira, falecido neste domingo (13), aos 71 anos, não consta a passagem dele na temporada 2003 no Paulista. Portanto não foram duas as passagens dele como treinador do Paulista (inclusive a gente do Esporte Jundiaí informou equivocamente sobre isso, corrigindo a matéria) e sim três passagens  as outras foram entre 2000 e 2001, e 2008 e 2009. Foi um período curto, onde ele tinha apenas uma missão: evitar o rebaixamento do Paulista para Série A2, dentro do Torneio da Morte. E o objetivo foi conseguido, com um certo drama.

 

Ferreirão comandou o Paulista por cinco jogos no Torneio do Rebaixamento da Série A1 do Estadual em 2003. 12 times foram divididos em dois grupos, e apenas enfrentam os oponentes da chave rival. A equipe que somasse menos pontos entre os 12 times era rebaixado.

 

Ferreirão chegou para substituir Edson Valandro, que chegou com muita “pompa” para Jundiaí, após ser campeão brasileiro da Série B pelo Criciúma, mas fez um trabalho ruim no Galo. Valandro comandou o Tricolor até a 1ª rodada do Torneio da Morte, quando o time perdeu para o América de Rio Preto por 1 a 0.

 

Luiz Carlos Ferreira assumiu o comando em um jogo complicado: contra a Portuguesa, em Jundiaí, O confronto terminou em empate por 2 a 2. E as coisas pareciam que não iriam ser fáceis: no jogo seguinte, fora de casa, derrota para o Marília, por 2 a 1.

 

Na quarta rodada, o Paulista enfrentou o Ituano e somente a vitória interessava, para ficar longe do descenso. Vitória por 2 a 1, com gol marcado por Vagner Mancini, aos 46 minutos do segundo tempo.

 

O alívio veio no jogo subsequente, em um confronto direto: vitória por 4 a 0 sobre a Inter de Limeira, fora de casa, rebaixando o adversário para a Série A2 com uma rodada de antecipação. Ferreirão deixou o comando do Galo em 2003, com vitória: 4 a 1 sobre o Mogi Mirim na última rodada do Torneio do Rebaixamento. Logo depois, Zetti assumiu o comando do Tricolor para a Série B do Brasileirão.


Passagem de um jogo

Ainda consta na história dele uma passagem de um único jogo na temporada 1991. Ele comandou o Galo no empate contra o Matonense, fora de casa, por 1 a 1. Segundo o historiador do Paulista, Ivan Gottardo, não tem certeza se ele comandou o Tricolor de forma interina ou como técnico efetivo e depois saiu.