Por Thiago Olim - Foto: Divulgação

 

O ex-árbitro Márcio Rezende Freitas deixou o cargo de comentarista de arbitragem do Grupo Globo, onde atuava desde 2006, principalmente nas transmissões dos clubes mineiros e, mais recentemente, na Central do Apito, em jogos regionais e nacionais nos canais Globo e SporTV. Ele é de triste lembrança para o torcedor do Paulista, pois ele apitou a pior derrota do Paulista neste século, em Jundiaí.

 

Em 23 de novembro de 2002, Márcio Rezende apitou a derrota do Paulista para o Fortaleza por 6 a 1. Na época o Galo tinha o nome de Jundiaí. A partida foi pela partida de ida da semifinal da Série B do Campeonato Brasileiro.

 

Nesta derrota, Márcio mostrou um cartão vermelho: o atacante Robson, do Paulista. O jogador do Galo foi expulso por agrediu um adversário, Erandir, logo após o terceiro gol do Fortaleza na disputa para pegar a bola dento do gol. Neste jogo, Clodoaldo, pelo time cearense, fez três gols.

 

A decisão do Grupo Globo em dispensar Márcio Rezende é uma reformulação no quadro de comentaristas de arbitragem, concentrando os trabalhos na Central do Apito, em Rio e São Paulo, com Paulo César de Oliveira, Sandro Meira Ricci e Sálvio Spínola.

 

Márcio teve uma longa carreira na arbitragem, chegando ao quadro da FIFA, tendo participações nos Jogos Olímpicos de 1992, em Barcelona, e na Copa do Mundo de 1998, na França.

 

O ex-árbitro também esteve na Copa América de 2004 e e apitou diversas decisões nacionais, como a da Copa do Brasil de 1999 e os Campeonatos Brasileiros de 1995, decidido entre Santos e Botafogo, quando teve uma condução polêmica ao confirmar o gol ilegal de Túlio contra o Peixe. Em 1999, fez outra final de Brasileiro, entre Corinthians e Atlético-MG, mas desta vez sem grandes polêmicas.

 

Mas, o lance que marcou sua carreira foi em 2005, na “final” daquele Brasileirão de pontos corridos. A jogada que marcou foi quando Márcio não sinalizou um pênalti claro de Fábio Costa em Tinga, então no Internacional, diante do Corinthians, no Pacaembu. Detalhe: ele mostrou o segundo amarelo e o cartão vermelho ao atleta do time gaúcho por simulação. O resultado daquela partida poderia ter mudado o rumo do campeonato, vencido pela equipe paulista.