Batatais no ano passado foi de clube suspenso para absolvido em nove meses - Esporte Jundiaí

Propagandas

Batatais no ano passado foi de clube suspenso para absolvido em nove meses



Por Thiago Olim

 

Um caso semelhante o que ocorre com o Paulista Futebol Clube passou o Batatais no ano passado. O clube foi suspeito por parte da Federação Paulista de Futebol de jogadores do próprio clube terem participado de manipulação de resultados de jogos na Série A3 de 2019. No período de nove meses, a agremiação e os jogadores saíram de suspensos e culpados para inocentes e absolvidos por parte dos tribunais desportivos.

 

1ª decisão

Em 8 de agosto do ano passado, o Batatais durante a disputa da Copa Paulista foi suspenso de forma preventiva por 30 dias pelo Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP). Teve todas as suas atividades envolvendo o futebol profissional e categorias de base por suposto envolvimento de jogadores com manipulação de resultados. Na ocasião se suspeitava que os jogos Batatais 0 x 5 Capivariano, Batatais 0 x 2 Barretos e Batatais 1 x 1 Comercial poderiam ter sido manipulados.

 

2ª decisão

Em 10 de setembro de 2019, o TJD-SP, em decisão da 3ª Comissão Disciplinar, puniu o Batatais com 240 dias de suspensão e R$ 70mil em multa. O reflexo era a queda do Batatais da Série A3 de 2020.  Ainda foram condenados na ocasião, o então técnico Thiago Oliveira (120 dias de suspensão e multa de R$1mil), o secretário Paulo Cesar Gardellini (230 dias e multa de R$ 1mil) e os jogadores Tom, Tiago e Wesley (suspensos por 400 dias e multa de R$ 1mil cada um).

 

3ª decisão

Em 28 de outubro do ano passado, o caso foi para o STJD (Superior Tribunal de Justiça) que modificou a decisão do TJD-SP. Reduziu a pena do Batatais de 240 para 120 dias de suspensão, e com isso a agremiação estava liberada para participar da Série A3 de 2020.  A multa diminiu de R$ 70mil para R$ 50mil). O técnico Thiago Oliveira e os jogadores citados no caso foram absolvidos de todas as acusações. O secretário Paulo Cesar Gardellini, que já estava afastado das funções na epóca, foi considerado culpado por infração ao artigo 239 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que prevê multa de R$ 1 mil e suspensão por 230 dias.

 

Última decisão

Em 22 de maio deste ano, o pleno do STJD foi a última instância do caso. E tudo foi anulado. O STJD absolveu o clube as acusações por suspeita de manipulação de resultados na temporada de 2019.

 

“Depois de tanto transtorno de ter ficado suspenso pela federação, fomos absolvidos. Inicialmente era uma suspensão de 240 dias, então recorremos e conseguimos baixar para 120 dias, além da multa de R$ 75 mil, que era R$ 25 mil por W.O que tivemos na Copa Paulista. A gente recorreu também e a multa então baixou para R$ 50 mil. Agora fomos absolvidos no Artigo 239, que tentava o nosso rebaixamento, com o Taboão da Serra como terceiro interessado, e fomos absolvidos da multa em dinheiro também”, explicou o presidente Marcos Leandro, do Batatais, na época, ao site Ge.com.

 

Leandro também afirmou que a resolução do caso é uma conquista para o clube e ajuda a consertar a imagem arranhada deixada pela situação. “O clube ficaria com uma imagem arranhada, porque um time com suspeita de manipulação é complicado. É uma conquista para o clube. Assumi o Batatais neste ano com esses problemas, mas deu tudo certo, o advogado trabalhou direitinho e fomos absolvidos inclusive das multas”, completou.

Postar um comentário

0 Comentários