PUBLICIDADE

Série B1 do Paulistão mantém característica de trampolim para jovens

PUBLICIDADE



Por Redação Esporte Jundiaí - Foto: Thiago Olim

 

Último nível do futebol paulista, a Série B1 do Paulistão tem em sua história a presença de diversos atletas que posteriormente ganharam projeção no futebol brasileiro. A edição de 2020 contará com 35 equipes, que servem de casa para os jovens atletas mostrarem o seu talento para conseguirem escalar a pirâmide do futebol nacional.

 

Campeão pelo Paulista, o meia Gabriel Terra se transferiu para a Portuguesa Santista. Um ano após a conquista, ele está no elenco do Juventude, que também está na Série B nacional. Além dele, o time campeão chamou a atenção com o lateral Victor Emerson e o zagueiro João Paulo. Ambos se transferiram ao Fortaleza, integrando o elenco sub-23 do time que disputa a elite brasileira.

 

Em 2019, o grande nome do torneio foi o atacante Murilo Henrique, do Fernandópolis. Após passagem pela base do São Paulo, onde sofreu com lesões, retornou à sua cidade natal e se destacou com 15 gols na campanha da equipe. Este ano disputou o Paulistão pelo Botafogo de Ribeirão Preto, por quem também joga na Série B do Campeonato Brasileiro.

 

O vice-artilheiro da última edição, Mayko Felix, também é outro que impulsionou a carreira após o torneio. Com 14 gols pelo Amparo, o atleta se destacou e este ano veste a camisa do Santa Cruz de Recife na Série C do Campeonato Brasileiro.

 

Outros atletas que chamaram a atenção foram Adriano Mina (saiu da Francana e jogou o Paulistão pelo Novorizontino) e Luan Costa (do São José, foi campeão da Série A2 pelo São Caetano)

Série B1 do Paulistão mantém característica de trampolim para jovens Série B1 do Paulistão mantém característica de trampolim para jovens Reviewed by Thiago Batista de Olim on 12:00 Rating: 5

Últimas - Confira!!!

PUBLICIDADE