Capitão do Atlético Mineiro, o zagueiro Réver, revelado nas categorias de base do Paulista, avalia a ‘oscilação tática’ como o maior pecado do time do Atlético nos últimos jogos. Líder durante várias rodadas, e o time perdeu força. Para o defensor, a queda de rendimento é normal, já que o Brasileirão é longo.

“Essa oscilação nós sabíamos que uma hora ou outra ia acontecer, assim como aconteceu com outras equipes que hoje vivem um momento, talvez, muito bom, mas no início da competição ou para o meio do primeiro turno acabaram tendo essa oscilação. O nosso momento chegou”, disse o jogador em entrevista virtual nesta quinta-feira.

Ele considera que questões táticas são os principais problemas do time. Oscilação tática, onde nós estamos deixando alguns espaços, coisas que a gente não estava deixando acontecer. A prova disso é que nesse último jogo (derrota de 3 a 0 para o Palmeiras) sofremos dois gols de transições, quando a gente, em determinado momento, tinha mais jogadores do que o adversário e nessa transição os adversários ficaram com mais jogadores do que nós. Então, acredito que nosso erro, o nosso pecado, podemos dizer assim, vem sendo nessa parte tática, onde estamos deixando a desejar. Sabemos o que temos de fazer para que isso não aconteça mais”, disse o jogador.

Réver destaca que a reação não pode ser mais adiada e precisa ocorrer diante do Flamengo, neste domingo, às 18h15, no Mineirão. O rubro-negro carioca é o vice-líder, com 35 pontos.  “É um jogo para que a gente possa retomar o caminho das vitórias, já que estamos há quatro rodadas sem sentir esse sabor. É um para te dar mais confiança, mais moral na competição”.

 

Por Thiago Batista de Olim - Foto: Divulgação