O Esporte Jundiaí procurou candidatos a vereador na terça-feira, ligados ao esporte, para responderem as mesmas seis questões sobre temas ligados ao desporto. Quatro candidatos enviaram suas responderam as questões nesta quarta-feira e terão suas respostas expostas.

Um dos candidatos que responderam foi Cristiano Lopes. Ele foi ex-secretário de esportes na gestão do prefeito Pedro Bigardi, além de ter atuado no futebol amador da cidade. Atualmente é piloto de motocross e vereador. Portanto tenta a sua segunda candidatura consecutiva. Lopes é candidato pelo Partido Progressista e seu número é 11.000. Confira as respostas do candidato ao Esporte Jundiaí.


- Porque você merece a atenção do eleitor na visão dos esportistas?

Cristiano Lopes: Eu fui secretário de Esportes e Lazer de 2013 até 2016, criando projetos que mudaram a vida das pessoas e promoveram a qualidade de vida. Cito alguns como Energiza Jundiaí, Zumba nos Bairros, Circuito do Esporte e Torcendo por Jundiaí.  Sou atleta e sei a realidade do esporte de perto. Este ano completo 30 anos de carreira no motocross. Tive uma vida dedicada ao esporte desde os meus 14 anos.

Ao longo da minha carreira, conquistei vários títulos. Foram 17 títulos paulistas, cinco Campeonatos Brasileiros, além de ter sido campeão latino-americano e campeão sul-americano de motocross. Representei o Brasil no motocross das Nações nas três primeiras edições que o Brasil esteve – 1997, 1998 e 1999, respectivamente na Bélgica, Inglaterra e Brasil.

No meu mandato, atuei ativamente pelo esporte, criando leis e projetos que fomentam o esporte e criam ferramentas que vão beneficiar os atletas.


- A Câmara Municipal precisa ter um vereador exclusivamente ligado ao esporte?

Cristiano Lopes: Precisa ter um vereador que também fala de esportes. Não precisa necessariamente só ser ligado ao esporte e trabalhar somente pelo tema. Eu, no meu mandato, trabalhei pelo esporte, mas atuei ativamente em temas importantes como causa animal, primeira infância, direitos e segurança das mulheres, emprego e renda e segurança pública. O esporte é um tema importante e precisa ser tratado como se deve na Câmara.


- Quais são as suas propostas para o futebol amador da cidade?

Cristiano Lopes: O futebol amador de Jundiaí é uma referência não só no Estado, como no Brasil. Ele precisa ser resgatado. O vereador fiscaliza o Executivo, faz leis e ouve as demandas da população. Precisamos garantir que o poder público continue dando suporte ao Amador, como em segurança e cedendo os centros esportivos. No meu mandato, eu fiz algumas leis que podem ser utilizadas em benefício dos times do amador, como a lei nº. 9123/2018 que institui o Programa “Jundiaí Mais Saudável”, de parceria entre o poder público e empresas privadas para ações na área de esportes.

A lei é a PPP (Parceria Público Privada) do esporte. É uma nova ferramenta de captação de recursos para incentivar o esporte na nossa cidade. Vai beneficiar atletas, projetos esportivos, times e espaços públicos. O ponto forte da lei é sua fácil aplicação. A empresa que patrocinar uma equipe, projeto ou atleta ou realizar alguma melhoria em equipamentos públicos esportivos, poderá usar espaços em logradouros e áreas públicas para fins publicitários.

Outro ponto da lei é a possibilidade de o poder Executivo buscar parcerias com as empresas privadas para manutenção dos equipamentos públicos esportivos da cidade, sem que isso onere os cofres públicos, trazendo inúmeros benefícios à população.


- Quais são as suas propostas para os outros esportes da cidade?

Cristiano Lopes: Reitero que o esporte de base precisa ser fomentado e a lei citada acima, que institui o Programa Jundiaí Mais Saudável, é de fácil aplicação para as outras modalidades. Imagina você ter um time de futsal, montar um projeto, apresentar para uma empresa e ela patrocinar seu time, tendo a garantia de publicidade em um centro esportivo onde passa milhares de pessoas. É uma contrapartida interessante, além dela ter o nome exposto na camisa da equipe.

Outra lei que fiz fomenta nossos esportivas que usam a bicicleta e são corredores de rua. A lei número 9079 Institui o Circuito Eco Esporte Rio Acima - Volta do 4000 e a lei 8932/2018 - Institui na região do bairro Santa Clara, em toda a extensão das avenidas Luiz Gobbo e Paulo Ferraz dos Reis, o Circuito do Eco Esporte Santa Clara.

Procurado por grupos de ciclistas e corredores de rua que há muito tempo pleiteiam um local adequado para a prática das suas atividades, eu criei estas duas leis que tem a finalidade de oficializar estas rotas. As leis promovem o uso consciente e sustentável dos circuitos para ciclismo, maratona e pedestrianismo, fomentam a prática de esportes e o uso sustentável dos recursos naturais, proporcionam a segurança através de sinalização e informações, além de promover a saúde e o bem-estar da população.


- Para quem não participa de competições, quais os projetos tem para a população em geral que deseja praticar algum esporte.

Cristiano Lopes: Além dos projetos citados acima que beneficiam esportistas como ciclista e corredores de rua que tem aumentado na nossa cidade, conquistei quando secretário 4 milhões de reais de verba para reforma dos centros esportivos. Os espaços são utilizados pela população em geral e precisavam de reformas. O centro esportivo Pedro Raymundo, por exemplo ganhou a reforma da quadra, vestiário e acessibilidade.

Criei a Lei 9522/2020 que Institui o Programa “Jund Bike”; cria o Selo “Empresa Amiga do Ciclista. A lei tem como objetivos: incentivar o uso de bicicleta; melhorar a mobilidade urbana; estimular empresas a promover a utilização de bicicletas como meio de transporte habitual por seus funcionários e clientes; criar uma cultura favorável aos deslocamentos cicloviários, como modalidade eficiente e adequada ao meio ambiente e à saúde de seus usuários; desenvolver ações para a melhoria do sistema de mobilidade cicloviária e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Com objetivo de conscientização e informação, a lei 9.141 prevê, em local destinado à prática de exercícios físicos sem obrigatoriedade de acompanhamento profissional, afixação de placa informativa com orientações sobre alongamentos musculares. Tenho compromisso de ampliar projetos sociais, como Zumba nos Bairros e Dança de Salão e fortalecer cada vez mais projetos que garantam a qualidade de vida das pessoas.


- Como vereador como pode ajudar o Paulista Futebol Clube com projetos? Se sim, quais?

Cristiano Lopes: Como afirmei acima, o vereador cria leis, fiscaliza o executivo e ouve das demandas da população. O Paulista é um patrimônio da cidade e precisamos garantir que empresas patrocinem o clube, criando ferramentas. O programa Jundiaí Mais Saudável pode ser um caminho para arrumarmos apoiadores para a categoria de base do clube. Uma categoria de base forte, cria um time profissional forte.

Estou sempre em contato com o presidente do Paulista e dentro da minha alçada como vereador, tenho procurado colaborar neste momento de reconstrução do clube. Não é somente agora, que estou à disposição do Paulista. Desde que tinha a empresa BM Motos, patrocinava o clube e não é agora que deixarei de ajudar. Contatos com empresários para ajudar o clube são feitos constantemente.


- Sobre lei de incentivo ao esporte, pretende apoiar algum projeto ou criar algum projeto? Porque?

Cristiano Lopes: No segundo dia de trabalho na Câmara, ainda em janeiro de 2017, protocolei o projeto de lei de incentivo ao Esporte Municipal, que segue os mesmos conceitos das Leis Estadual (13918/09) e Federal (11438/2006). O texto diz que as empresas e pessoas físicas podem patrocinar projetos esportivos e ter isenção do valor investido de impostos municipais, como Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) ou Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

Será uma importante ferramenta para ajudar o esporte na cidade. O projeto de lei tem o objetivo de ampliar e democratizar o acesso à prática esportiva, individual ou coletiva, estimular e promover a revelação de atletas locais e proteger a memória das expressões esportivas na cidade de Jundiaí e estimular clubes desportivos da comunidade.

Continuo aguardando o projeto entrar em votação e cobrando o motivo dele ainda não ter sido votado.


Por Thiago Batista de Olim - Foto: Divulgação