Jornalistas de Jundiaí lamentam a morte de Diego Maradona - Esporte Jundiaí Esporte Jundiaí: Jornalistas de Jundiaí lamentam a morte de Diego Maradona
PUBLICIDADE

25 de novembro de 2020 -

Por Thiago Batista

Jornalistas de Jundiaí lamentam a morte de Diego Maradona

Compartilhe:

A morte de Diego Maradona na tarde desta quarta-feira foi um choque a todos. O respeito pelo craque foi pregado pelos jornalistas de Jundiaí ouvidos pelo Esporte Jundiaí. Alguns tiveram a satisfação de ver o eterno camisa 10 argentino de perto.

Exemplo de Anelso Paixão. “Foi um jogador genial durante toda a carreira. Sensacional. Fez coisas que a gente só acredita porque foram gravadas e podemos ver e rever quantas vezes quisermos nas Copas de 1986, 1990 e até mesmo em 1994”.

Anelso lembre que Maradona “salvou” a Copa do Mundo de 1994, que foi taxada de uma competição que não havia grandes craques. “Na Copa dos EUA, já com muitas dificuldades em sua vida pessoal, conseguiu se preparar em tempo recorde para, como muitos disseram à época, salvar uma Copa fadado ao fracasso, tanto pela falta de interesse do país anfitrião quanto pela falta de um craque. Ele era o craque que faltava. E fez tudo que foi possível até o dia do estranho exame antidoping. Estranho não pelo exame, mas pela forma como aconteceu, com a enfermeira entrando em campo para acompanhá-lo”, lembrou.

“Mais tarde, já aposentando, continuou sendo uma figura carismática, polêmica, assumindo posições fortes e lutando por uma sociedade mais justa. Infelizmente, seu problema com as drogas era mais forte do que sua personalidade. Morreu muito jovem, mas deixou um legado para a história do futebol e do esporte”, completou Paixão.

Adilson Freddo lembra do jogo que Maradona ajudou a eliminar o Brasil em uma edição de Copa do Mundo. “Genial dentro de campo. Está entre os dez melhores jogadores que vi atuar. Sua vida foi marcada por muita polêmica, principalmente pelo desrespeito ao próprio corpo. Uma pena sua morte. O seu grande jogo foi a vitória da Argentina sobre o Brasil na Copa de 1990. Foi um passe genial dele para o gol do Cannigia”, lembrou.

Rivelino Teixeira lembra de um grande jogo de Maradona na Copa de 1986. “Foi jogador fora do normal. Que pena que ele não foi um atleta. Um jogo memorável dele foi a atuação na vitória da Argentina nos 2 a 1 sobre a Inglaterra na Copa do México”.

Marcos Bonequini, ex-goleiro, trata Maradona como um dos grandes artistas da história do futebol mundial. “Foi-se embora um gênio, um artista, um ídolo. Assim vou me lembrar desse argentino com alma brasileira. O 10 que encantou o mundo com a bola nos pés. Pra mim, só fica atrás de Pelé.  Essa é a imagem que guardarei de Diego Armando Maradona”, detalha.


Por Thiago Batista de Olim - Foto: Divulgação