O lateral-esquerdo jundiaiense Lucas Piton depois de 10 dias voltou a ser titular do Corinthians. E ele teve uma atuação discreta (para não dizer discretíssima) na vitória de virada do Atlético Mineiro sobre o Timão por 2 a 1, em São Paulo. Um jogo com muitas polêmicas de arbitragem (para não dizer uma horrorosa atuação de Rodrigo Dalonso Ferreira).

O gol do Corinthians, comandado pelo ex-treinador do Paulista, Vagner Mancini, saiu aos 5 minutos de jogo com Matheus Davó, de cabeça. O tento somente saiu após a não marcação de uma penalidade clara de Gil sobre Eduardo Vargas para o Atlético. Apenas o árbitro Rodrigo Dalonso Ferreira e o árbitro de vídeo Pathrice Wallace Corrêa Maia que não enxergaram a infração.

O empate atleticano saiu aos 16 minutos da etapa final com Guilherme Arana, em chute cruzado dentro da grande área., mostrando que a lei do ex teve presença em Itaquera. Arana foi revelado como lateral-esquerdo na base do Timão.

O segundo gol do Atlético saiu aos 38 minutos do segundo tempo. Em jogada na esquerda, Keno tirou Jonathan Cafú para dançar e cruzou. Marrone bem posicionado marcou o gol da vitória.     

Com a derrota o Corinthians cai para 11º com 25 pontos. O Atlético novamente assume a liderança do campeonato com 38 pontos.


Porque Piton jogou e seu desempenho nos números

Ex-jogador do Atlético, o lateral-esquerdo Fábio Santos é titular do Corinthians atualmente. Só que esteve fora do jogo por questões contratuais. E por isso o garoto de Jundiaí, que atuou nas categorias de base do Paulista no sub-15 teve chance de atuar neste sábado.

Lucas Piton jogou os 90 minutos e individualmente não se destacou, especialmente na etapa inicial. No primeiro tempo por 13 vezes perdeu a posse da bola, sendo o segundo jogador com pior desempenho neste quesito – apenas Cássio teve números piores neste item – 14 vezes. Os dados são do site Sofascore.

O jogador jundiaiense ainda foi o terceiro jogador entre todos em campo nos 45 minutos iniciais que teve a menor quantidade na precisão de passes – 43% (6 de 14). Cássio teve o pior índice – 30% (6 de 20), seguido por Gil com 43% (3 de 7).  

Piton melhorou no segundo tempo, e quase marcou um gol, após um cruzamento aos 22 minutos, que desviou em Guga, e quase enganou o goleiro Éverson.

Durante os 90 minutos, o lateral de Jundiaí perdeu a posse de bola por 27 vezes e teve precisão de passes de 47% (16 de 34 passes certos). Ele tocou 62 vezes na bola, com apenas um passe decisivo, um corte, uma interceptação, e um desarme. Nos duelos pelo chão, de cinco que teve ganhou apenas um, diferente nos duelos aéreos, que de quatro ganhou três. Piton ainda cometeu três faltas no jogo, fez três cruzamentos (nenhum preciso) e por sete vezes executou a bola longa (apenas uma com precisão).

Na próxima rodada, Piton deverá voltar ao banco de reservas do Corinthians, para dar lugar a Fábio Santos, na partida contra o Grêmio, em São Paulo, no dia 22, às 20h30. O Atlético Mineiro no mesmo dia encara o Ceará, em Fortaleza. Mas antes, na quarta-feira, às 19h, recebe o Athletico Paranaense.


Por Thiago Batista de Olim