Se você pensa em ir a um estádio e assistir uma partida de futebol profissional ainda em 2020, pode tirar a ideia da cabeça. A chance de isso ocorrer no estado de São Paulo é zero. A quinta fase do plano de retomada das atividades em São Paulo foi suspensa pelo Centro de Contingência do Coronavírus, braço técnico do governo de São Paulo para decisões sobre a Covid-19, em decisão tomada nesta quinta-feira, segundo o site da CNN Brasil. A medida foi motivada pelo surgimento de uma segunda onda da Covid-19 na Europa.

Segundo o secretário executivo do Centro de Contingência do Coronavíru, João Gabbardo à decisão foi tomada no início da noite desta quinta-feira (12). “A fase azul está suspensa pelo centro de contingência e descartada para 2020”, disse ele.

Isso significa que nenhuma das 645 cidades do estado de São Paulo terá autorização até segunda ordem pra qualquer tipo de evento com aglomerações. Isso inclui desde velórios com mais de 10 pessoas a festas de casamento, passando por shows, festas de aniversário, baladas e encontros familiares com reunião de pessoas.

No esporte essa decisão veta público nos estádios de futebol e ginásios poliesportivos em jogos e disputas de competições profissionais e deve dificultar a liberação por parte das cidades da realização de partidas de campeonatos e torneios de futebol e de qualquer modalidade no nível não profissional (amador) [no da redação do Esporte Jundiaí: apesar da teimosia de muitos de estarem competições na região do Aglomerado Urbano de Jundiaí, onde a realização de competições não profissionais (nível amador) não está autorizada em nenhuma cidade, exceto Campo Limpo Paulista – que somente autorizou o Campeonato Amador].

Antes da decisão de suspender a fase azul, o Centro de Contingência já havia pautado o início da discussão das regras que teriam de ser seguidas pelos diversos setores econômicos. Até então, seriam três condições possíveis para avançar à fase azul: uma vacina eficaz, um remédio capaz de curar a Covid-19 ou uma diminuição significativa nos números da doença.

Uma das medidas que o governo já havia tomado foi comunicar as cidades sobre um possível recuo no plano de desmobilização de leitos, o que já provocou reação de prefeitos. Na prática, o alerta foi que os quartos de hospital que estavam reservados pra pacientes com coronavírus e começaram a ser liberados pra quem tem outra doença, podem ter de ser bloqueados novamente pra Covid-19.


Por Thiago Batista de Olim - Foto: Thiago Batista de Olim