A bola vai parar... Governador de SP anuncia parada de futebol e esporte profissional - Esporte Jundiaí

Propagandas

A bola vai parar... Governador de SP anuncia parada de futebol e esporte profissional

Após dois dias depois de muita pressão para que a bola não parasse de rolar, enfim a pressão sucumbiu. O esporte profissional coletivo vai parar em São Paulo, inclusive o futebol das Séries A1, A2 e A3 do Paulistão. O governador de São Paulo João Doria Junior anunciou nesta quinta-feira a paralisação da realização das atividades esportivas profissionais entre 15 e 30 de março. Essa medida afeta todas as competições desportivas que são profissionais, entre elas o Campeonato Paulista de futebol masculino, que neste momento está em ação as três séries. Isso ocorre com a implantação da fase emergencial e começa a valer a partir deste sábado.



O jogo do Palmeiras contra o São Caetano, atrasado da 1ª rodada do Estadual, marcado para esta quinta-feira, às 19h, pode ocorrer, como todos os jogos do final de semana das Séries A1, A2 e A3. As partidas entre 15 e 30 de março do Estadual de futebol masculino e das demais modalidades coletivas programadas para ocorrer no estado deverão ser todas canceladas, ou adiadas para uma nova data, ou até mesmo serem disputadas fora do estado de São Paulo. 


O Centro de Contingenciamento implantou novas medidas restritivas, até mesmo aos serviços considerados essenciais. Tudo para evitar um colapso ainda maior no sistema público de saúde de todo estado de São Paulo. Atividades religiosas coletivas foram suspensas no estado. Serviço de retirada dentro do estabelecimento em todos os setores está proibido entre 15 e 30 de março – inclusive para alimentos – apenas drive-thru e entrega em casa de alimentos.


Também na fase emergencial o tele-trabalho obrigatório para os órgãos públicos, escritórios e qualquer atividade desde que o setor não seja essencial. E foi implantado o toque de recolher entre 20h e 5h da manhã - a pessoa pode ser presa se não der uma justificativa plausível caso esteja fora de sua residência.


Subiu para 38 o número de pacientes com Covid-19 que morreram na fila de espera por leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no estado de São Paulo nestes primeiros dez dias de março, de acordo com levantamento feito pelo G1 e a TV Globo nesta quarta-feira (10). As mortes de pacientes que aguardavam liberação de leitos intensivos ocorreram em cidades localizadas na Grande São Paulo e no interior do estado. 53 municípios de São Paulo já estão com todos os leitos de UTI ocupados. Na quarta-feira este número eram 32.


O estado registrou altos números de óbitos pela doença: na quarta, a média diária de mortes por covid-19 no estado foi de 313 óbitos, recorde pelo terceiro dia seguido. A taxa média de ocupação de UTIs em todo o estado, com 83%, também foi a maior de toda a pandemia, e o número de pacientes internados chegou a 20,8 mil, outro recorde


A fase emergencial também afeta além do Campeonato Paulista de futebol masculino nas Séries A1, A2 e A3, os jogos programados para o estado da Copa do Brasil de futebol masculino sub-20 e adulto, Copa Libertadores de futebol masculino e Brasileirão feminino – Série A1. A medida também atinge outras modalidades, como os jogos de basquete de NBB, LBF e Ligas dos Campeões masculina que ocorrem no estado e também de vôlei como as Superligas masculina e feminina. 


Na fase vermelha atividade esportiva amadora, até mesmo de competição, como torneio de futebol amador estava proibido de ser realizado, e até mesmo amistoso de vôlei entre amigos.


Doria se reuniu nesta quarta-feira pela manhã com Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), e com o Ministério Público Estadual para ouvir todos os lados das respectivas versões. A FPF, por sua vez, mostrou-se contrária à interrupção dos torneios com base em ‘critérios científicos’, apoiada por uma onda de protestos de jogadores profissionais em publicações nas redes sociais O governador não anunciou nada na quarta-feira. Parecia que o esporte profissional, especialmente o futebol havia ganho a batalha. Ledo engano, a política falou mais alto. Dória queria ter a notícia da quarentena ainda mais rígida como centro de atenções e não dividir a notícia com discurso de Lula, que ocorreu na manhã de quarta-feira.


Essa será a segunda paralisação do futebol em menos de um ano. De 16 de março de 2020 para cá, quando o Estadual foi interrompido após a disputa do dérbi campineiro entre Guarani e Ponte Preta, a bola não rolou oficialmente em São Paulo por mais de quatro meses – a retomada só aconteceu em 22 de julho.


Com recordes diários de mortes, superlotação dos leitos em UTI, milhares de casos confirmados diariamente pela covid-19 e forte pressão do Ministério Público (MP-SP), o político confirmou a fase roxa e o endurecimento das medidas restritivas ao futebol e demais modalidades esportivas.

Postar um comentário

0 Comentários