Ricardo Chuva: “Vamos trazer bons jogadores para que criem uma identidade do clube” - Esporte Jundiaí

Propagandas

Ricardo Chuva: “Vamos trazer bons jogadores para que criem uma identidade do clube”

Foto: Thiago Batista de Olim

O treinador do Paulista para disputa da Série B1 do Paulistão será Ricardo Chuva. O comandante de 41 anos vai comandar seu segundo time no futebol profissional e o torcedor conhece bastante ele. Em 2019, o Galo enfrentou o Amparo por quatro vezes. Antes, em 2017, Chuva passou por Jundiaí como auxiliar-técnico de Umberto Louzer na Copa São Paulo. O técnico conhece bastante o Paulista e quer respeitar a filosofia e história do Tricolor. Quer respeitar a maneira que o torcedor do Galo gosta de ver a equipe atuando no campo.


Confira a entrevista do Esporte Jundiaí com o profissional, onde fala sobre convite de dirigir o Paulista, quais desafios deve encarar na ‘Bezinha’ e como deve ser a montagem do elenco e período de treinamentos.


Esporte Jundiaí: Como é receber o convite de dirigir o Paulista? Como foi aceitar esse convite?

Ricardo Chuva: Foi uma alegria muito ímpar! Os primeiros contatos que recebi do Paulista foram no final do ano passado, mas quando o presidente Rodrigo (Alves) oficializou o convite a resposta positiva foi imediata, pois não tive dúvidas nenhuma de que queria participar desse novo projeto de reconstrução do clube.


Esporte Jundiaí: Que tipo de filosofia pretende implantar no Paulista? Como deve ser o sistema de jogo?

Ricardo Chuva: A filosofia que não abro mão é de uma equipe muito organizada e com muita disposição em campo. No entanto, os outros atributos do jogo dependem muito da cultura da cidade e do time, pois nós que estamos chegando precisamos nos adaptar ao clube e não ao contrário.  O fato de ter tido uma passagem vitoriosa com Umberto Louzer e André Mathias em 2017 facilitará na busca da identidade da equipe.


Esporte Jundiaí: Nestes dois anos que comandou o Amparo na Bezinha, o que aprendeu sobre a competição? Quais dificuldades espera na competição neste ano?

Ricardo Chuva:  Estes dois anos mostraram o quanto a competição é complexa. São quase 50 times para duas vagas. São campos muitos distintos, logística complexa e com o Brasileiro sub-23, a ‘Bezinha’ tornou-se um campeonato muito atrativo para bons treinadores, e isso elevou mais o nível da competição. Sendo assim, com todas essas informações, é fundamental que você tenha um time, uma torcida, uma comissão técnica e uma diretoria comprometidos em fazer de cada jogo uma final, está é a maior lição que aprendi.


Esporte Jundiaí: Como deve ser a montagem do elenco? Que tipo de jogadores você gostaria de trabalhar?

Ricardo Chuva: A montagem do elenco vai ser bem coerente com a realidade financeira do clube, ou seja, mesmo sem fazer loucuras vamos trazer bons jogadores para que criem uma identidade do clube, isso é fato!


Esporte Jundiaí: Que tipo de jogadores você gostaria de trabalhar?

Ricardo Chuva: Gosto de trabalhar com a verdade. O atleta precisa saber por mim que ele está na última divisão, portanto, ele precisa ter brio, raça, alma de vencedor, e ser extremamente competitivo.  É óbvio que a boa técnica, inteligência de jogo e as valências físicas contam muito, mas se o atleta não tiver consciência de onde ele está e aonde ele precisa chegar, isso nada adianta, pois ele acaba morrendo com seus talentos e prejudica todo o trabalho.


Esporte Jundiaí: O planejamento já começou? Acredita que consegue fechar o elenco para disputa da competição antes da pré-temporada, ou o elenco será fechado ao longo da competição?

Ricardo Chuva: Tudo ainda é muito recente, porém o planejamento já começou, estamos trabalhando nos bastidores com reuniões virtuais. Nosso planejamento é ter o elenco montado em torno de 90% até a estreia.


Esporte Jundiaí: Qual tempo ideal de preparação visando a Bezinha? Quanto tempo de pré-temporada é o ideal na sua visão?

Ricardo Chuva: Acredito que 3 meses seja o tempo ideal.


Esporte Jundiaí: Teme pela gravidade da pandemia no Brasil que o calendário da ‘Bezinha’ seja apertado, e não ter tempo para fazer ajustes entre uma rodada e outra da competição?

Ricardo Chuva: A pandemia é real e vivemos um cenário instável. No ano passado foi muito apertado, mas essa não é uma preocupação pois se ocorrer novamente, confio muito na minha comissão técnica e no elenco que vamos montar; com uma pré-temporada bem realizada e os conceitos de jogo bem implementados, a manutenção é algo que se consegue fazer com excelência por meio de análise de vídeos.

Postar um comentário

0 Comentários