Thiago Batista: Se Neymar chamasse Luciano seria vítima de piadas e memes no Brasil - Esporte Jundiaí Thiago Batista: Se Neymar chamasse Luciano seria vítima de piadas e memes no Brasil

Neymar teve uma atuação nota 6,0 no jogo da volta das quartas de final da Liga dos Campeões. Mas poderia ter sido até nota 10, se as três bolas na trave que ele mandou tivessem ido um centímetro para baixo ou para o lado do gol e tivessem virado “pontos”, que tranquilamente decretariam a vitória do PSG contra o Bayern de Munique. Só que não, as três bolas na trave tiveram peso fundamental na derrota do PSG para o Bayern na volta. Aqui a análise é apenas o jogo da volta. Na série, o PSG passou pelos gols fora de casa. Se o camisa 10 do time de Paris se chamasse Luciano, Gabriel Jesus, Roberto Firmino, Rony “Rústico”, Jô ou até mesmo Gabigol, seria vítima de inúmeros memes. Só que é o Neymar, que é muito protegido atualmente pelos torcedores, proteção que não merece o custo, pois falta um olhar mais crítico do torcedor.

Sim, a minha crítica é ao torcedor. Torcedor mundial. Que ainda foram patéticos em premiar ele em melhor em campo na terça-feira. Time perde o jogo por 1 a 0. O atacante perde três gols. Foi fominha em um lance do final do jogo. Como pode ser o melhor em campo? Se fosse para prêmio “show-man” seria justo. Mas estamos falando de jogo de futebol, que tem de aliar sua técnica, com precisão e coletividade. E por esse motivo é injusto o Neymar ter recebido o prêmio. Se o jogador que tivesse todos esses lances citados neste parágrafo fosse Luciano, Gabriel Jesus, Roberto Firmino, Rony “Rústico”, Jô ou Gabigol teria recebido o tal prêmio de melhor em campo? Claro que não.

Torcedor precisa ser crítico. Não é para metralhar o Neymar pela atuação dele, pois ruim não foi. Não concordo por exemplo com o 5,9 que o algoritmo do Sofascore deu para atuação do Neymar – algoritmo que deixou o brasileiro com a pior nota em campo, e deu 7,9 para a dupla de zaga do Bayern – sim Boateng e Lucas Hernández ganharam essa nota do Sofascore – ambos que sofreram com a velocidade de Mbappé e Neymar (Mbappé teve atuação pior que Neymar na minha visão).

Mas não foi atuação dos céus do Neymar neste jogo da volta das quartas de final. Foi uma atuação regular. Não foi melhor do que a atuação que ele fez no confronto de ida, que apesar não ter sido o melhor em campo naquela partida, ajudou o PSG em dois lances de gol, e foi um dos três melhores em campo. Atuação nota 7,5.

Pelo jogo, quatro jogadores foram superiores a Neymar, em Paris: Paredes e Navas pelo PSG; Sané e Choupo-Moting pelo Bayern. Paredes, pois ajudou a controlar o meio-campo do PSG, que não sofreu tanto com o poderio de meio-campo do Bayern, que teve uma atuação muito abaixo. Para mim Paredes, sem aparecer muito, foi o nome do jogo. Navas pelas quatro defesas importantes que fez, que evitaram a eliminação do PSG em Paris. Sim o goleiro foi muito importante nos dois jogos diga-se. Sané foi o principal nome do ataque do Bayern, criando boas chances. E Choupo-Moting foi bem na minha avaliação pois foi bem no jogo aéreo contra a defesa do PSG – e ainda fez um gol de artilheiro.

Espero que na semifinal, quem sabe possa fazer um texto enaltecendo Neymar como craque dos dois jogos. Mas sou sincero, nestas quartas de final, especialmente no jogo de volta, Neymar não foi o craque da partida. Faltou e muita eficiência – que todos querem especialmente é em novembro e dezembro de 2022.

 

Thiago Batista é jornalista e editor-responsável pelo Esporte Jundiaí. Trabalha desde 2006 na área, com passagens no Lance (Caderno do Interior – cobrindo o Paulista), Agência Bom Dia, Jornal da Cidade e Jornal de Jundiaí, Rádio Cidade Jundiaí, Rádio Difusora Jundiaí, TV Japi e TVE Jundiaí.


Foto: UEFA