Velocitta recebe duas etapas da Stock Car Brasil no fim de semana de olho nos freios - Esporte Jundiaí

Propagandas

Velocitta recebe duas etapas da Stock Car Brasil no fim de semana de olho nos freios

Depois de duas etapas bastante disputadas em Goiânia e Interlagos, a Stock Car Brasil vai ao Velocitta, em Mogi Guaçu, para a disputa não de uma, mas de duas etapas. O exigente traçado de 3.438 metros recebe a terceira etapa neste sábado (19) e a quarta no domingo (20), em um final de semana recheado de velocidade com quatro corridas. O jundiaiense Guilherme Salas estará em ação nas duas etapas. Nos dois dias, a largada principal acontece às 13h10.

O circuito, conhecido por exigir bastante do conjunto de freios, especialmente dos discos e pastilhas, tem dois pontos importantes de frenagem, nas curvas 1 e 8 (esta, conhecida como saca-rolha). Na primeira curva do traçado, os carros se aproximam a uma velocidade de 215 km/h e reduzem para 90 km/h no contorno da curva, e o fazem com uma frenagem que se estende por 170 metros reduzindo a velocidade em 125 km/h durante apenas quatro segundos, gerando uma desaceleração de 1,5 G.

No ‘Saca-Rolha’, os carros vêm em uma reta longa, em descida, carregando bastante velocidade e atingem 200 km/h no ponto de frenagem, no qual os pilotos reduzem para aproximadamente 90 km/h em 135 metros, tirando 110 km/h em 3,5 segundos com uma desaceleração de 1,4 G.

Uma volta completa no Velocitta dura pouco mais de 1min30s a bordo do Stock Car, e 25% do tempo de volta – cerca de 22 segundos – é gasto fazendo uso dos freios. Seletivo com subidas e descidas, o circuito oferece boas oportunidades de ultrapassagem, especialmente nas duas curvas onde os freios são mais exigidos, e com a previsão de temperaturas mais baixas durante o final de semana (mínimas de 10 graus e máxima de 24ºC), a refrigeração do sistema de freios torna-se um aspecto a ser bastante monitorado nas atividades de pista, uma vez que os discos de freio são feitos para trabalhos a temperaturas de até 720ºC, enquanto as pastilhas de freio suportam temperaturas de trabalho de até 840ºC.

Postar um comentário

0 Comentários