Surfe: Atleta da Costa Rica é chamado de última hora para a Olímpiada, mas não chega a tempo de competir - Esporte Jundiaí Surfe: Atleta da Costa Rica é chamado de última hora para a Olímpiada, mas não chega a tempo de competir

Uma história inacreditável aconteceu no surfe olímpico, mas que terminou com final triste. O costarriquenho Carlos Muñoz foi chamado na sexta-feira para estar sábado no Japão para competir no surfe. Só que ele não conseguiu chegar a tempo no Oriente, após mobilizar toda a Costa Rica para que ele pudesse disputar a Olímpiada, e assim ele não pode realizar o seu sonho por motivos ‘protocolares’.

Na sexta-feira, menos de 24 horas do início do surfe, Carlos Muñoz recebeu o convite para substituir um representante português, Fred Morais, que acabou sendo excluído da disputa após positivar para covid. Ele estava em Limón, no litoral da Costa Rica, e preso por uma enchente. Se iniciou uma saga para fazer o costarriquenho chegar ao Japão a tempo das disputas que estão ocorreram neste sábado: precisavam tirá-lo de Limón, com direito a resgate do Corpo de Bombeiros, levá-lo à capital da Costa Rica, San José, fazer teste para covid, colocar num voo para Los Angeles, e de lá em uma conexão para o Japão. Só que ele não chegou a tempo na região de Tóquio para a disputa da Olímpiada.

A esposa de Carlos Muñoz, Tamara Futch, usou as redes sociais para tecer críticas ao Comitê Olímpico da Costa Rica. Ela garantiu que o presidente do Comitê Olímpico Nacional foi quem impediu a participação do surfista na competição no Japão por não ter assinado ou enviado carta à organização para adiar a competição enquanto Muñoz estava em viagem.

“Depois de três horas tentando conseguir a assinatura de uma carta do Sr. Henry Núñez do Comitê Olímpico Nacional para a organização adiar a segunda rodada, o Sr. Núñez não assinou a carta e não a enviou oficialmente, então Cali terá do que voltar à Costa Rica sem realizar seu sonho olímpico”, declarou a atleta nas redes sociais.


Foto: Divulgação