Paulista anuncia saída de treinador. Chuva é o 3º a cair em 4 anos com apenas 2 jogos - Esporte Jundiaí Paulista anuncia saída de treinador. Chuva é o 3º a cair em 4 anos com apenas 2 jogos

Ricardo Chuva não é mais o treinador do Paulista. A saída do profissional foi anunciada nesta sexta-feira pelo clube, de maneira oficial. Chuva somente ficou dois jogos oficiais como técnico do Paulista, sem vencer – um empate e uma derrota. Ele é o terceiro treinador em quatro anos a cair do comando do clube com apenas dois jogos comandando o time - Chuva se junta a triste estatística que tem Carlinhos Alves e Ricardo Belli. Baiano, ex-jogador do Paulista, e atualmente treinador da categoria sub-20, assume o comando do Tricolor para o jogo de domingo contra o Barcelona, em São Paulo, às 10h, pela 3ª rodada da ‘Bezinha’. Baiano estará nas arquibancadas vendo o jogo, já que não poderá assinar a súmula por detalhes burocráticos. 

"Quem assume a equipe a partir desta data é o técnico Dermival de Almeida Lima - o Baiano - que vinha coordenando as categorias de base e dirigindo o Sub-20. Junto com o professor Baiano, o auxiliar técnico do clube, Fausto Dias compõe a nova comissão. Fausto inclusive dirige a equipe de forma interina no próximo compromisso do Tricolor - domingo às 10hs em Nicolau Alayon contra o Barcelona - até a regularização da documentação de Baiano, que também estará com a equipe mas acompanhando das arquibancadas", explicou o Paulista em nota nas suas redes sociais.


Baiano assume

Baiano assume o Paulista com moral perante a torcida. Um dos últimos jogadores respeitados de forma unânime pela torcida, em duas passagens como atleta marcou cinco gols – todos no Paulistão de 2010. O gol mais marcante foi de uma derrota, quando o Paulista perdeu do Grêmio Barueri por 3 a 2. Só que foi um gol literalmente do meio-campo – da linha divisória.

Esse gol deu moral ao time, que tudo era possível e conseguiu escapar do rebaixamento do Paulistão da Série A1 daquele ano.  

Baiano voltou ao Paulista agora em maio, para ser o treinador da categoria sub-20. O time disputou a Copa Nacional, na qual faturou no começo do mês, ao superar o Nacional, no Nicolau Alayon – palco do jogo de domingo, na disputa de penalidades.

Atualmente com 43 anos, Baiano já comandou uma equipe profissional no futebol paulista. Foi o Taboão da Serra na Série A3 do Paulistão de 2019. E não foi uma passagem de boas lembranças: em 10 jogos, o time de Taboão venceu apenas um jogo e no fim acabou rebaixado a 4ª divisão do Paulistão.


A era Chuva no Paulista

Chuva foi contratado pelo presidente Rodrigo Alves para dirigir o Paulista em 17 de março. Nestes cinco meses, o então comandante teve tempo para escolher os jogadores e realizar toda a pré-temporada com jogos amistosos.

Só que uma sina de 2014 ocorreu em 2021. Na pré-temporada, excluindo jogos contra times amadores, o Paulista enfrentou sete times profissionais e não perdeu nenhum jogo – foram cinco vitórias e dois empates. Em 2014, na pré-temporada, o Tricolor realizou oito jogos-treinos, com seis vitórias e dois empates. Em 2014, na Série A1 o time jundiaiense não venceu um jogo e foi rebaixado. Em 2021, na Série B1, em duas rodadas, ainda não venceu – tenta a primeira vitória no domingo, quando encara o Barcelona.


2014-2017 tivemos casos semelhantes a de Chuva

Casos semelhantes ao de Chuva ocorreram entre 2014 e 2017, mostrando que nos últimos anos o Paulista também virou um “moedor de treinadores”, diferente de até 20 anos atrás, quando Giba pode fazer um trabalho de um ano e meio (fevereiro de 2001 até junho de 2002) e de três anos de Vagner Mancini (de maio de 2004 até maio de 2007).

No ano de 2014, Giba e Márcio Bittencourt ficaram apenas cinco jogos cada um no comando do Tricolor, na última vez que o Paulista esteve na divisão de elite do Paulistão, a Série A1. Giba ficou da 1ª até a 5ª rodada, enquanto Bittencourt ficou da 6ª até a 10ª rodada.

No ano de 2016, Paulo Fernandes comandou o Paulista por apenas um jogo na Série A2. Após a derrota por 4 a 1 para o Bragantino, ele e a parceria que vieram a Jundiaí foram mandados embora pelo então presidente Djair Bocanella.

No ano seguinte, 2017 Carlinhos Alves comandou o Tricolor nas duas primeiras rodadas da Série A3, com duas derrotas, foi demitido pelo presidente Pepe Verdugo, após uma derrota para o Nacional, no Jayme Cintra. Meses depois o mesmo ocorreu no sub-20, com Ricardo Belli, que foi demitido após o Tricolor perder os dois primeiros jogos no Paulistão da categoria. Belli caiu após derrota para o São José dos Campos, em Jundiaí. Com isso, de 2017 para agora, com a demissão de Chuva, três treinadores caíram com apenas dois jogos no comando. Se pegar 2016, a conta chega agora a quatro.

Também em 2017 outro profissional ficou pouco tempo como treinador do Paulista: Umberto Louzer, que ficou apenas quatro jogos – da 3ª até a 6ª rodada, saindo por opção própria para ser auxiliar-técnico no Guarani, na época.